Cabo Delgado: "Guterres está a fazer bastante pouco"

Cabo Delgado: “Guterres está a fazer bastante pouco”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, mas “também Portugal”, têm a “responsabilidade” de fazer mais pelo fim dos massacres em Cabo Delgado. Adriano Nuvunga, professor de ciência política e ativista dos direitos humanos e políticos, um dos primeiros a denunciar os 1.100 mortos e 200.000 deslocados na província moçambicana, espera que a ajuda internacional chegue, “em breve”, enviada por potências africanas vizinhas.

Diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento – ONU com sede em Maputo – Nunjunga diz que metade da população está em fuga, aterrorizada por grupos armados, de cara tapada: “Passam as noites escondidos no mato”. A estrutura militar, permeável à “corrupção”, lamenta, “afasta-se da missão republicana” de garantir “a segurança das populações” e a “soberania nacional”. Por isso considera urgente ajuda militar internacional.

Nesse contexto, lamenta que António Guterres, “como secretário-geral das Nações Unidas – e português” – não tenha agido de forma mais decisiva. Até para promover um “maior envolvimento do Brasil e de Portugal”, que também acusa de terem virado costas ao drama humanitátio. Guterres “está a fazer bastante pouco”.

Adriano Nuvunga acusa o Exército moçambicano de ser refém dos “grandes interesses”, razão pela qual se mostra incapaz de conter os grupos armados que aterrorizam as populações. “Queimam casas, matam pessoas e decepam cabeças”, na impressionante descrição do Bispo de Pemba, D. Luíz Fernando Lisboa, em recente entrevista ao PLATAFORMA.

Adriano Nuvunga elogia a consciência política da SEDC – Conselho Económico e Social da União Africana, estrutura, contudo, sem meios militares. Por isso espera que ela chegue, “em breve”, enviada por potências africanas: “África do Sul, Zimbabwe e, até, Angola”, acredita, estão mais dispostas a ajudar: “São quem tem meios” e “sabem que a instabilidade em Cabo Delgado é a instabilidade da região”, até pela ameaça do Estado Islâmico. “Se acreditarmos”, ressalva.

Adriano Nuvunga, noutro texto hoje publicado no PLATAFORMA, explica o verdadeiro motivo que, na sua opinião, está por trás dos permanentes ataques em Cabo Delgado: a “luta interna” de poder pelo acesso aos contratos de segurança com as multinacionais de gás natural”.

Related posts
MoçambiquePolítica

Violência em Cabo Delgado provoca erosão dos direitos humanos em Moçambique

MoçambiquePolítica

Cimeira da SADC para debater missão militar em Cabo Delgado

ChinaMoçambique

Gás natural em Moçambique: Projetos poderão ser substituídos pelo investimento chinês

Moçambique

Ataque no norte de Moçambique faz dois mortos e destrói casas

Assine nossa Newsletter