O LADO NEGRO DO TURISMO - Plataforma Media

O LADO NEGRO DO TURISMO

 

Residentes de Macau queixam-se da pressão que o turismo provoca no quotidiano da população.

 

Em 2013, Macau registou a entrada de 29 milhões de visitantes oriundos de todo o mundo. A região vizinha Hong Kong, com uma área 30 vezes superior, não ultrapassou os 55 milhões de visitantes. Muitos residentes de Macau queixam-se da “pressão” que o turismo tem vindo a provocar no dia a dia dos residentes. “É muito difícil apanhar o autocarro, mesmo que tenha carro é difícil encontrar um lugar de estacionamento”, disse ao Plataforma Macau a senhora Leong, que trabalha no centro da cidade.

“Fazem-se obras frequentemente, há muitos turistas e o tráfego está congestionado”, queixou-se um cidadão de Macau ao jornal chinês Lek Pou.

Também a higiene ambiental é um problema que preocupa a população de Macau. “A educação na área da higiene dos turistas da China continental deve ser reforçada. Os locais turísticos estão cheios de lixo, escreveu um utilizador da rede social Facebook, ao comentar uma fotografia no grupo `Pessoas de Macau´.

O aumento do preços em Macau consta também das queixas dos utilizadores de redes sociais ou leitores de jornais. Ao comentar um artigo publicado na versão online do Lek Pou, um residente de Macau escreveu que “o problema de inflação é muito grave. Antes pagava 15 patacas por uma refeição e agora é o dobro ou mais. Além disso, tem de se fazer fila nos restaurantes”.

“Os estabelecimentos comerciais em Macau são todos farmácias ou lojas onde se vende ouro. Desapareceram as lojas tradicionais locais, tenho muita pena”, disse em entrevista ao Plataforma Macau a senhora Yip, residente de Hong Kong, que trabalha em Macau.

 

Laura Lao

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter