Sismo no noroeste da China provocou perdas económicas de 67,7 milhões de euros

O terramoto que atingiu a China na segunda-feira passada, matando pelo menos 148 pessoas, causou perdas estimadas em quase 68 milhões de euros nos setores da agricultura e pescas, informou hoje a imprensa estatal.

por Nelson Moura

A província de Gansu, no noroeste da China, realizou avaliações preliminares que mostraram que as indústrias agrícolas e pesqueiras locais perderam 532 milhões de yuans, de acordo com a televisão estatal chinesa CCTV.

As autoridades estavam a ponderar a melhor forma de utilizar o fundo de ajuda, criado pelo Governo Central chinês na terça-feira, para que o setor agrícola retomasse a produção o mais rapidamente possível. O Governo chinês e o ministério da Gestão de Emergências alocaram 200 milhões de yuan para os esforços de socorro e recuperação.

O sismo de magnitude 6,2 atingiu uma região montanhosa, um minuto antes da meia-noite local de segunda-feira na fronteira entre as províncias de Gansu e Qinghai e a cerca de 1.300 quilómetros a sudoeste de Pequim, a capital chinesa.

A CCTV informou que 117 pessoas morreram em Gansu e 31 outras morreram na vizinha Qinghai, enquanto três pessoas continuam desaparecidas. Cerca de mil pessoas ficaram feridas e mais de 14 mil casas foram destruídas.

Durante uma visita no sábado a várias aldeias de Gansu e a um condado de Qinghai, o primeiro-ministro chinês Li Qiang instou as autoridades a melhorarem as condições de vida dos sobreviventes através de todos os métodos disponíveis.

De acordo com a agência de notícias oficial Xinhua, Li disse também que a principal prioridade dos esforços de socorro era garantir que as pessoas se mantivessem quentes e seguras no inverno.

A CCTV informou que 117 pessoas morreram em Gansu e 31 outras morreram na vizinha Qinghai, enquanto três pessoas continuam desaparecidas (Photo by Pedro Pardo / AFP)

O canal internacional da CCTV, CGTN, disse que o primeiro lote de 500 unidades habitacionais temporárias tinha sido construído para os residentes de Meipo, uma aldeia da província de Gansu, até à sexta-feira à noite.

Muitos tinham estado a suportar temperaturas que podem atingir os 14 graus negativos em unidades mais frágeis, semelhantes a tendas, com uma cobertura de plástico azul no exterior e um forro de algodão acolchoado no interior.

Foram realizados funerais para os mortos, alguns seguindo as tradições muçulmanas de grande parte da população da área afetada.

Este foi o terramoto mais mortífero na China desde o de agosto de 2014 na província de Yunnan, que matou 617 pessoas, mas está muito longe do de 2008 na província de Sichuan, que causou pelo menos 70 mil mortos.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!