Início Manchete Crescimento económico supera previsões do FMI

Crescimento económico supera previsões do FMI

O turismo e o jogo permitiram que o PIB de Macau recuperasse para dois terços do registado no período pré-pandémico. Quer isto dizer que, para já, a RAEM está acima das previsões do Fundo Monetário Internacional, revistas em outubro. A cidade detenta o título de economia com o crescimento mais acelerado do mundo e tudo aponta para que o mantenha em 2024

Nelson Moura

Nos primeiros três trimestres de 2023 o PIB registou uma subida anual de 77,7 por cento, segundo os dados recentes da Direcção de Estatísticas e Censos, (DSEC). Em termos reais, a recuperação de Macau equivale a 77,4 por cento do volume económico do mesmo período de 2019. Isto coloca a RAEM como a região com maior crescimento económico do mundo.

Além disso, apesar de o ano ainda não ter terminado, está acima da revisão conduzida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em outubro, que previu um crescimento de 74,4 por cento em 2023.

Porém, é de salientar que Macau registou uma das maiores quebras económicas a nível global devido às restrições pandémicas – caiu 54,2 por cento em 2020. Subiria 19,3 por cento em 2021, para tombar novamente em 2022 (26,8 por cento).

Jogo e turismo sustentam crescimento

Tendo em consideração só o terceiro trimestre, o PIB de Macau mais do que duplicou em comparação com o mesmo período de 2022, uma subida de de 116,1 por cento justificada pelas autoridades pelo “forte desempenho das exportações de serviços”. A exportação de serviços do jogo e turísticos, bem com o acréscimo na procura interna, explicam a recuperação económica, depois do impacto da pandemia de Covid-19.

Durante o terceiro trimestre de 2023 entraram em Macau 8.282 milhões de visitantes, oito vezes mais do que no mesmo período do ano passado. É, no entanto, cerca de 83,5 por cento do número de visitantes registado no trimestre homólogo de 2019.

As exportações de serviços subiram 284,1 por cento, com aumentos de 781,4 por cento nas exportações de serviços do jogo e de 255,4 por cento nas exportações de outros serviços turísticos, tendo as importações de serviços subido 58,2 por cento.

Sem comparação

Na região da Ásia-Pacifico, o crescimento económico de Macau está muito acima da média. Basta comparar com algumas das grandes potências regionais, como a China continental (5%), Hong Kong (4,4%), Filipinas (5,3%), Japão (2%) ou Singapura (1%).

O mesmo acontece se olharmos para as 10 economias com maior taxa de crescimento, segundo o FMI. Atrás de Macau (74,4%), estão Guiana (38,4%), Líbia (12,5%), Maldivas (8,1%), Samoa (8%), Fiji (7,5%), Arménia (7%), Moçambique (7%), República Democrática do Congo (6,7%) e, por último, o Tajiquistão (6,5%).

Para 2024, o cenário muda um pouco (ver gráfico), mas Macau mantem-se no topo (27,2%), seguido novamente pelo Guiana (26,6%), Palau (12,4%), Niger (11,1%), Senegal (8,8%), Líbia (7,5%), Ruanda (7%), Costa do Marfim (6,6%), Burkina Faso (6,4%) e, por último Benin e Índia (6,3%).

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!