Início » Há 38 milhões de pessoas na UE sem acesso a alimentos saudáveis

Há 38 milhões de pessoas na UE sem acesso a alimentos saudáveis

TSF
Crédito:Andy Rain/EPA

Perto de 38 milhões de pessoas na União Europeia (UE) não têm acesso a uma alimentação suficientemente saudável e sustentável, alertou esta quarta-feira a organização não governamental (ONG) WWF, garantindo que é uma tendência que está a crescer desde 2015.

Num relatório publicado esta quarta-feira, o WWF declarou que o atual sistema alimentar da UE é uma ameaça, pois depende fortemente da importação de matérias-primas agrícolas “caras” – como fertilizantes – para apoiar a agricultura intensiva, “incentivando o consumo pouco saudável”.

“O sistema alimentar da UE está a provocar a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas, ao mesmo tempo, tornam extremamente difícil para muitos cidadãos ter acesso a alimentos saudáveis e sustentáveis”, afirmou Giulia Riedo, responsável pela política alimentar e agrícola sustentável do WWF.

Na Europa, a proporção de terras de cultivo usadas para alimentar o gado é maior do que a média mundial, pois mais produtos de origem animal são consumidos per capita e há um forte mercado de exportação de produtos de origem animal, segundo o documento.

A ONG apontou que se for promovida a produção de cultivos de origem vegetal e reduzido o consumo de carne, a importação de rações e o uso de fertilizantes diminuiriam 23,4% e, com a redução de custos, a alimentação saudável estaria mais acessível.

Além disso, o relatório salientou que a UE é particularmente “vulnerável” a distorções no mercado de fertilizantes, pois representam 18% dos custos das matérias-primas para as culturas.

Nos países da UE existem 179,9 milhões de hectares de terras agrícolas, dos quais 74% são fertilizados.

O WWF garante que a redução do consumo animal em alimentos, particularmente aquele proveniente de sistemas pecuários industriais intensivos – que dependem em grande parte de rações e fertilizantes importados – reduziria a quantidade total de terra necessária e teria efeitos benéficos no meio ambiente, no bem-estar e na saúde humana.

“As importações de ração e fertilizantes interrompem os ciclos de nutrientes, são um uso ineficiente de calorias e causam impactos ambientais significativos”, observou o WWF.

O quadro legislativo da UE para sistemas alimentares sustentáveis, apontou a organização, deve estabelecer uma visão para 2050 e garantir a coerência entre as políticas relacionadas com a alimentação.

O relatório considerou que esta política comunitária tem de incluir objetivos vinculativos intermédios e finais que se apliquem a todo o sistema alimentar, desde a produção ao consumo, e incluir um mecanismo de avaliação que vigie todos os progressos.

De acordo com o WWF, a estratégia “Farm to Fork” da Comissão Europeia dá à Europa “a oportunidade de ser um exportador líquido de calorias, nutrientes e proteínas ao mesmo tempo que melhora a segurança alimentar e a resiliência a longo prazo”.

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!