PM de Cabo Verde anuncia pensões para familiares de militares mortos em incêndio

por Gonçalo Lopes

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, anunciou hoje que serão atrbuídas pensões para os familiares dos oito militares que morreram num acidente durante o combate a um incêndio.

“No Conselho de Ministros de amanhã [terça-feira], aprovarei a atribuição de pensões às famílias dos militares falecidos como fizemos relativamente ao acontecimento de Monte Tchota [militar que matou a tiro outros 11 em 2016]”, anunciou Ulisses Correia e Silva após visitar a área do incêndio, na Serra da Malagueta, Tarrafal, e os feridos na sequência do mesmo acidente de viação internados no hospital da Praia.

“Prometo apoiar não só as famílias afetadas, mas também os agricultores e criadores de animais cuja produção foi atingida pelo incêndio. Este é um momento de comoção e solidariedade, e reconheço o esforço incansável dos bombeiros, proteção civil e militares no combate a este incêndio”, afirmou ainda.

“Unidos, Cabo Verde superará este momento”, acrescentou, destacando “a bravura dos militares, agentes da proteção civil, bombeiros e civis que lutaram contra as chamas”.

O número de vítimas mortais devido ao acidente de viação ocorrido no domingo durante o incêndio na Serra da Malagueta, ilha cabo-verdiana de Santiago, subiu para nove, com a morte de um técnico daquele parque natural.

De acordo com fonte do Ministério da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde, a nona vítima mortal é um técnico do Parque Natural da Serra da Malagueta, e o óbito resultou igualmente do acidente com um camião das Forças Armadas cabo-verdianas.

Leia ainda: Tabaco mais caro em Cabo Verde já rendeu 233 mil euros em imposto em janeiro

Dez militares tiveram de ser assistidas no hospital da capital, mas dois já tiveram alta médica, segundo a direção hospitalar.

O gabinete do chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de Cabo Verde tinha referido inicialmente sete mortos no acidente com a viatura militar, que ocorreu pelas 17:20 (19:20 de domingo em Lisboa) e na qual seguiam os operacionais destacados para a missão de apoio ao combate aos incêndios que deflagraram na Serra Malagueta e Figueira das Naus, a cerca de 50 quilómetros a norte da cidade da Praia.

Entretanto, esse número foi atualizado para oito militares, além de vários feridos graves, além do técnico do Ministério do Ambiente.

“Informa-se ainda que foi acionada, de imediato, toda a equipa de saúde das Forças Armadas para prestar apoio aos serviços de saúde que receberam os sinistrados. Neste momento, estão sendo identificadas as vítimas mortais por forma a efetuar a comunicação aos familiares das mesmas e prestar todo o apoio necessário”, acrescentou-se no comunicado anterior.

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, anunciou, ao início da noite de domingo, que o Governo “decidiu decretar dois dias de luto nacional em memória às vítimas” deste acidente.

De acordo com fonte do Serviço Nacional de Proteção Civil de Cabo Verde, o incêndio deflagrou no sábado, pelas 10:30 (12:30 em Lisboa), atingindo a Serra Malagueta, Figueira das Naus e Fundura.

Na tarde de domingo, as chamas, entretanto controladas, chegaram a ser combatidas por 200 operacionais de praticamente todas as corporações de bombeiros da ilha de Santiago, bem como por militares das Forças Armadas, apoiados por dois veículos pesados de combate a incêndios, quatro ligeiros de combate a incêndios e três ambulâncias.

O incêndio obrigou à retirada de dez famílias da localidade de Figueira das Naus e provocou cinco vítimas ligeiras e uma em estado grave, todas transportadas para o hospital.

Também o Presidente de Cabo Verde, José Maria Neves, que se encontra em visita oficial aos Estados Unidos, manifestou “imensa consternação perante o incêndio que já consumiu uma área substancial do perímetro florestal da Serra da Malagueta, tendo originado ainda a perda de vidas humanas”.

“Entende o chefe de Estado que todo o país está perante uma enorme provação e uma profunda tristeza. O Presidente da República exprime as suas mais sentidas condolências às famílias das vítimas mortais, desejando que encontrem forças para fazer face a este momento de profunda perda e sofrimento no seio familiar”, indicou, num comunicado da Presidência da República.

“O chefe de Estado saúda os ingentes esforços que, desde muito cedo, vêm sendo consentidos em ordem a debelar este incêndio de proporções trágicas para a nossa realidade, bem como apela ao sentido de união de toda a nação para a solidariedade que se impõe”, acrescentou.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!