Fórum Macau: “A parte política e comercial estão sempre de mãos dadas”

por Mei Mei Wong
Paulo Rego

O secretário-geral do Fórum Macau assume a relevância estratégica que a China dá à missão de Ho Iat Seng a Portugal. No contexto de uma agenda lusófona na qual “Macau tem um posicionamento muito importante, e único, dentro da China”

Paulo Rego, jornalista e diretor-geral do PLATAFORMA, à conversa com Ji Xianzheng, secretário-geral do Fórum Macau

Ji Xianzheng é o primeiro alto responsável chinês a reagir de viva voz à visita do Chefe do Executivo (CE) a Portugal, notícia avançada na semana passada pelo PLATAFORMA, que nesta edição explica a importância que Portugal lhe está a dar (ver páginas 4 a 6). Em declarações ao nosso jornal, o secretário-geral do Fórum Macau explica que Pequim vê “nesta estrutura multilateral um complemento a estes momentos de cooperação bilateral”, em si mesmos “essenciais”.

Por isso, lembra, “a parte política e comercial estão sempre de mãos dadas”, razão pela qual “o Fórum e o Governo da RAEM têm sempre cooperado numa ótica comum de promoção das relações comerciais e da amizade entre a China e todos os países da família deste Fórum”. Neste contexto, Ji Xianzheng – nomeado pelo Ministério do Comércio – assume o caráter estratégico desta missão da RAEM a Portugal:

“Esta visita, que ainda não é oficial, é muito importante”. Porque “Macau tem um posicionamento muito importante, e único, dentro da China”. Razão pela qual, “desde o primeiro dia, o Fórum apoia a construção desta plataforma; que faz parte do plano de ação da Conferência Ministerial”.

Leia também: “Macau pode ser o centro de distribuição de Portugal para a China Interior”

Nesse contexto, em conversas informais durante o almoço que na quarta-feira o Fórum Macau ofereceu à imprensa de língua portuguesa e inglesa de Macau, o PLATAFORMA percecionou alguma expectativa em torno do regresso da Conferência Ministerial como farol político da cooperação sino-lusófona (prevista para outubro, segundo a Rádio Macau).

Pela circunstância de que se comemora este ano o 20º aniversário do Fórum (criado em 2003), mas também por se sair de uma paralisia a que a crise pandémica tudo sujeitou. Especula-se por isso sobre a presença na RAEM de delegações chefiadas ao mais alto nível.

O secretário-geral do Fórum Macau abordou o maior tema da atualidade de Macau, a visita de Ho Iat Seng a Portugal, referindo que a RAEM “tem um posicionamento muito importante, e único, dentro da China”. “Razão pela a qual, desde o primeiro dia, o Fórum apoia a construção desta plataforma; que faz parte do plano de ação da Conferência Ministerial”, explica o mesmo responsável.

“Provavelmente chefes de governo”, admite um dos delegados lusófonos ao Fórum, garantindo que será dada resposta proporcional ao nível que a China estará a propor. Na conversa com o PLATAFORMA – sem nunca se referir à Conferência Ministerial – Ji Xianzheng foi claro em relação às expectativas alimentadas pela chegada de um novo ciclo, no campo dos contactos bilaterais: “Este período pós-pandémico vai certamente contribuir para uma dinâmica reforçada nesse sentido”, incluindo “o reforço da cooperação entre o Fórum e as autoridades da RAEM, que sempre atribuíram grande importância às relações com Portugal e todos os países da família do Fórum”.

“TIMING IMPORTANTÍSSIMO”

O presidente da Associação dos Macaenses considera a visita do CE a Portugal “extremamente importante”. Até pelo “timing”, que é “importantíssimo!”. Miguel de Senna Fernandes considera a missão “absolutamente oportuna”, com “impacto especial para a comunidade portuguesa em Macau, que ainda vive temores criados durante a pandemia. O que se viveu, com uma certa angústia, espero que seja apaziguado. O Governo [de Macau] sabe quão importante é a presença da comunidade portuguesa, porque a língua e a cultura precisam de substrato humano que suporte isto tudo”.

Leia também: Secretário-geral: países do Fórum Macau apostam na cooperação  e não defendem o isolacionismo

Senna Fernandes reconhece que haverá “outros temas na agenda; coisas a ver com a China, Portugal e Macau”. Contudo, insiste, este é “um sinal importantíssimo que tinha de ser dado à comunidade portuguesa em Macau. Como sabemos – e é notório – houve um relativo êxodo para Portugal”, porque a pandemia “veio provocar decisões que noutras circunstâncias não teriam sido tomadas”. É verdade que “enclausurou todas as comunidades, mas para quem tem família fora os efeitos psicológicos foram tremendos, levando as pessoas a reequacionarem a presença em Macau”.

“O que se viveu, com uma certa angústia, espero que seja apaziguado. O Governo sabe quão importante é a presença da comunidade portuguesa, porque a língua e a cultura precisam de substrato humano que suporte isto tudo”, Miguel de Senna Fernandes, presidente da Associação dos Macaenses.

A reflexão sobre a viagem de Ho Iat Seng é ainda “especulativa”, pois “não sabemos o que leva na manga para falar com as autoridades em Lisboa”. Contudo, “em termos simbólicos, não passa despercebido a um português que viva em Macau – e logo na sequência da abertura das fronteiras a ocidente”.

Senna Fernandes descreve o que sentiu ao ler a notícia do PLATAFORMA: “A primeira impressão que tive foi a reafirmação da importância da comunidade portuguesa. Isto é bom, se vier ao encontro do que especulo, e reata o diálogo, bem como tudo o resto entretanto interrompido. O CE, de várias maneiras, reafirmou a importância da língua portuguesa, naturalmente o prato forte da agenda que vai levar. E quem é falante da língua sabe como isso é muito bom”.

Leia também: Fórum de Macau quer aproveitar vantagens lusófonas para apoiar diversificação económica

Questionado sobre o que espera das autoridades portuguesas, Senna Fernandes responde com menos entusiasmo: “O que sempre esperei – abertura formal para o diálogo”. Mas isso já lhe parece pouco: “Só por si, não interessa a ninguém em Macau. O que interessa é o que vem depois. Afinal, o que tem Portugal a oferecer? No fundo, tem de investir nisto; não pode ficar pela boa vontade e discurso bonito. É preciso maior correspondência e fomentar o investimento em Macau, já a pensar na Grande Baía. Que tipo de abertura Macau terá para o investimento português? Que atrativos poderá oferecer? É isto que aguardo saber, com muita expectativa. Julgo que o CE tem isso em mente, neste contexto e neste timing. Oxalá corresponda ao que estou à espera”.

“NOVA OPORTUNIDADE”

A presidente da Casa de Portugal, Amélia António, uma das vozes que denunciou as dificuldades que a crise pandémica impôs à comunidade portuguesa, reage com otimismo à deslocação de Ho Iat Seng: “Acho ótimo que a primeira visita fora de Macau se faça a Portugal”.

Primeiro, “dadas as relações existentes”; mas “sobretudo se entendermos que é o espelho do entendimento que Pequim tem sobre a colaboração entre Macau e Portugal”. Aliás, reconhece a advogada, “o momento em que se dá – logo a seguir à abertura – torna esta visita ainda mais importante”. Mesmo desconhecendo a agenda do CE, Amélia António espera que esta visita, “extremamente importante, reative e reforce os canais de colaboração mútua”.

Leia também: Tensão sobe de tom no Fórum Macau

Nomeadamente ao nível da “cultura, da saúde, do ensino… e até na área jurídica”. Porque “havendo acordos feitos, que às vezes parecem um bocadinho esquecidos… se aquilo que se afirma relativamente ao entendimento de Pequim corresponde à realidade, inevitavelmente há coisas que têm de se reativar e de se fazer”.

“Acho ótimo que esta primeira visita para fora de Macau se faça a Portugal. Por um lado, dadas as relações existentes; por outro, sobretudo se entendermos que é o espelho do entendimento que Pequim tem da colaboração entre Macau e Portugal”, Amélia António, presidente da Casa de Portugal.

Se, do lado de Macau, esta visita “vem de certa maneira dar-nos alguma confiança e fazer-nos acreditar que aquilo que é dito não são meras palavras”, também do lado de Portugal se espera a consciência de que se abre uma “nova oportunidade” estratégica. Amélia António recorda a chegada de “um novo cônsul, um novo representante do AICEP, um novo delegado ao Fórum Macau…” mas também que “há já cá instaladas associações [como a Casa de Portugal] e Portugal pode ajudar essas pedras todas a posicionarem-se melhor no tabuleiro”.

Leia também: Cônsul-geral de Portugal já iniciou funções em Macau

Ou seja, “deve ter uma posição mais dinâmica de apoio nas áreas onde pode haver reforço de colaboração e ajudar-nos a ter um papel mais ativo nessas áreas, que são determinantes para manter parte da identidade de Macau. Há estruturas no terreno que Portugal pode utilizar para desenvolver esse reforço”.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!