Concessionárias de Macau com menos trabalhadores e salários menores

por Mei Mei Wong
Tony LaiTony Lai

Espera-se que os resultados do concurso público de novas licenças de jogo possam assegurar a estabilidade do emprego local. Mas o clima comercial não é animador: a repressão de Pequim sobre a indústria e outros fatores negativos continuam a pesar. Analistas acreditam que a escala do setor não irá recuperar para o nível pré-Covid, e que o número de empregados e respetivo nível salarial continuarão a diminuir

Na sequência do anúncio dos resultados das novas licenças de jogo no final do mês passado, o Governo da RAEM reiterou que irá esforçar-se para assegurar a estabilidade do emprego local. O secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, declarou que o Governo mandataria as seis operadoras de jogo a assumirem a sua responsabilidade social, incluindo a garantia de estabilidade laboral, formação de pessoal, e mobilidade ascendente para os seus trabalhadores de jogo.

Na mesma sessão da Assembleia Legislativa, no início deste mês, disse ainda que garantir o emprego local é a principal prioridade, acrescentando: “É nisto que insistimos”.

Leia também: Acções das operadoras de jogo de Macau valorizam face às novas concessões

A deputada, Leong Sun Iok, da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM), a maior força laboral da cidade, disse que os resultados do concurso público para as novas licenças de jogo eram conducentes à estabilidade social, com menos incertezas no mercado.

Mas observa: “Com cada vez menos postos de trabalho na indústria do jogo desde o início da pandemia de Covid-19, muitos empregados do setor estão preocupados com o facto de serem despedidos, de terem o seu salário cortado ou de serem obrigados a reformar-se mais cedo. Assim, temos de prestar atenção à forma como [o Governo] garante o emprego e os direitos laborais destes empregados, através de diferentes políticas e medidas”.

Citando números oficiais, disse que entre aqueles que procuraram um novo emprego no terceiro trimestre de 2022, cerca de 28,6 por cento eram antigos trabalhadores de jogo, e que este resultado sublinha a tendência descendente da procura de mão-de-obra na indústria do jogo e setores relacionados.

Leia também: Jogo em Macau: Genting força maior investimento das “Big Six”

De acordo com a Direcção dos Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC), havia 66.400 empregados no setor do jogo no terceiro trimestre deste ano, mergulhando 17,1 por cento em termos homólogos, enquanto o número de subempregados na indústria totalizava 23.300, triplicando face ao ano passado (6.200) e aumentando cinco vezes relativamente ao trimestre anterior (4.100).

Além disso, a média salarial destes trabalhadores foi de 16.000 patacas (2.000 dólares) no período de julho-setembro de 2022, o que representa uma diminuição de 20 por cento face ao ano anterior.

REDUÇÃO DA PROCURA

A queda acentuada da procura de trabalho no setor do jogo é principalmente atribuída às mudanças na base da indústria. Além do impacto económico da pandemia e das restrições de viagem, o encerramento dos promotores de jogo desde o final do ano passado, a revisão da lei de jogo e os esforços de Pequim na repressão das atividades de jogo transfronteiriças também amorteceram a perspetiva dos casinos de Macau.

Os números da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ) mostraram que as receitas do jogo totalizaram 38.72 mil milhões de patacas nos primeiros 11 meses de 2022, diminuindo em 50,9 por cento numa base anual – traduzindo-se apenas em 14,4 por cento dos valores pré-pandemia.

Leia também: Macau quer operadoras de jogo a promover turismo de saúde

Zeng Zhonglu, professor no Centro de Estudos de Jogos e Turismo da Universidade Politécnica de Macau, observou recentemente que haveria uma perspectiva sombria para o mercado de trabalho local num fórum público. Numa entrevista afirmou que a indústria do jogo e do turismo de Macau continuaria a ser lenta e que o ambiente empresarial tinham mudado consideravelmente.

Mesmo que a pandemia termine brevemente, a economia de Macau será menos dependente da indústria do jogo, traduzindo-se em menos visitantes com o propósito de apostar e mais visitantes para outros fins não relacionados com o jogo, disse.

“As receitas brutas do jogo de Macau só recuperarão para 60-70 por cento do nível atingido em 2019. Dado este clima, a procura de mão-de-obra na indústria do jogo irá diminuir no futuro, enquanto o nível salarial destes trabalhadores também será inferior”, vaticinou.

ADAPTAÇÃO LENTA

“Tanto o Governo como os operadores de jogos têm estado em constante comunicação para assegurar a estabilidade do emprego local. Se as medidas anti-epidémicas e os acordos de quarentena forem gradualmente levantados num futuro próximo, o volume de negócios dos operadores de jogo vai recuperar, o que será suficiente para manter o número de funcionários maioritariamente inalterado”, assegura ao PLATAFORMA o presidente da Associação de Jogo Responsável de Macau, Billy Song Wai Kit.

Leia também: Governo e concessionárias de Macau pedem mais de 709 milhões a Levo Chan

Nos últimos três anos, Macau seguiu rigorosamente a estratégia de zero casos da China Continental, tendo apenas isenção de quarentena para visitantes oriundos do Interior. No entanto, na sequência dos protestos contra a política de Covid-19 chinesa e as restrições em várias cidades do Continente nas últimas semanas, há sinais de que o relaxamento das medidas de prevenção fronteiriças será acelerado.

A secretária para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Elsie Ao Ieong U, também observou no início do mês que Macau iria seguir os passos do Continente para estudar a flexibilização gradual das medidas anti-epidémicas.

“Não podemos fechar-nos para sempre dentro de Macau, e temos de nos abrir passo a passo”, disse na altura. No entanto, Song acredita que “o tamanho global da força laboral associada ao jogo irá diminuir lenta e gradualmente” a longo prazo.

Leia também: Jogo ilícito em Macau- Advogados consideram revisão “necessária”, mas deixam alertas

Por exemplo, as operadoras de jogo deslocarão alguns empregados de casino para outros postos de trabalho não relacionados com as apostas, e continuarão a lançar programas de despedimento voluntário, permitindo aos empregados que tenham atingido os requisitos de reforma ou que tenham outras aspirações de sair por sua própria iniciativa.

Relativamente ao nível salarial e pacotes de remuneração global dos trabalhadores dos jogos no futuro, também acredita que a tendência geral seja o ajustamento em baixa.

FUTURO INCERTO PARA OS CASINOS SATÉLITE

Embora os resultados da nova licença de jogo tenham sido anunciados, existe outra grande incerteza que afeta a procura de mão-de-obra da indústria do jogo e que continua por resolver: os casinos satélite. Na sequência da implementação da nova lei do jogo, em junho, foi alterado o modelo operacional destes estabelecimentos de jogo geridos e detidos por investidores terceiros sob uma licença das concessionárias.

A nova lei proíbe as empresas de casinos satélite de partilharem receitas de jogo com as operadoras. Embora exista um período de adaptação de três anos para os casinos satélite se ajustarem à nova realidade, pelo menos dois desses locais já encerraram em 2022, nomeadamente o Rio Casino e o President Casino.

Dados oficiais mostram que existem ainda 18 casinos satélite em Macau, incluindo um sob a licença de jogo da Melco Resorts, um sob o Galaxy Entertainment Group e os restantes na asa da SJM.

Leia também: Chefe do Executivo de Macau diz existir “um setor do jogo muito saudável”

O Macau Daily News informou no início deste mês que, apesar da possível flexibilização das medidas anti-Covid e das restrições de viagem, vários casinos satélite não estão otimistas quanto ao seu futuro. Uma fonte da indústria imobiliária foi citada no artigo, dizendo que vários dos proprietários destes casinos procuraram avaliar as suas propriedades recentemente, e um deles tinha até manifestado interesse em vendê-la. Tal poderia afetar a estabilidade do emprego local.

MAIS BEM PREPARADO

Song espera que a maioria dos casinos satélite existentes continuem a funcionar num futuro próximo, e que poucos fechem. A maioria já adotou o acordo, como o Casino Emperor Palace, Casino Legend Palace, e Casino Babylon, cujas operações de jogo já foram devolvidas às operadoras, disse.

Significa que, atualmente, estes investidores terceiros apenas arrendam as suas propriedades às concessionárias de jogo, não se envolvendo diretamente na gestão da atividade. Existem apenas alguns casinos satélite no mercado que os investidores ainda têm envolvimento direto, como o Casino Ponte 16, Casino Kam Pek Paradise e o Landmark.

Leia também: Incerteza continua a rondar meta prevista para receitas do jogo de Macau em 2023

Apesar de alguns casinos satélite poderem deixar de existir num futuro próximo, Song indicou que esses trabalhadores são diretamente empregados pelas operadoras, que os iriam alocar para outros postos.

Assim, na sua perspetiva, a queda destes casinos tem um “impacto limitado” no mercado de trabalho local. Entretanto, a deputada Leong Sun Iok salientou que, para além dos trabalhadores dos casinos, os seguranças, pessoal de limpeza e trabalhadores dos segmentos de alimentos e bebidas dos casinos satélite são empregados pelos investidores terceiros.

Por isso, preocupa-lhe que possam perder os seus empregos se os seus casinos satélite fecharem, uma vez que a FAOM tem recebido alguns pedidos de informação destes trabalhadores. “O Governo deve estar preparado e acompanhar a situação destes trabalhadores se alguns casinos satélites forem encerrados”, acrescentou.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!