Início » Relação China-EUA determina a direcção do mundo, revela David Blair, economista americano

Relação China-EUA determina a direcção do mundo, revela David Blair, economista americano

Hannah e Lydia

Na tarde de 14 de Novembro, o Presidente chinês Xi Jinping teve uma reunião com o Presidente americano Joe Biden em Bali, Indonésia, antes da 17ª cimeira do Grupo dos 20 (G20). Os dois presidentes tiveram uma troca de opiniões franca e aprofundada sobre questões de importância estratégica nas relações China-EUA e sobre grandes questões globais e regionais.

“Estou muito satisfeito por ver que as duas nações estão novamente a falar e espero que isso conduza a relações genuinamente melhores”, disse David Blair, vice-presidente e economista sénior do Centro para a China e Globalização, numa entrevista recente ao GDToday. Na sua opinião, as relações China-EUA determinam a direcção do mundo.

Reunião de Xi-Biden ajuda a aliviar a tensão entre dois países

Durante a reunião, o Presidente Xi salientou que o actual estado das relações China-EUA não é do interesse fundamental dos dois países e povos, e não é o que a comunidade internacional espera. Os dois países precisam de explorar a forma correcta de se darem bem um com o outro na nova era, colocar a relação no caminho certo e trazê-la de volta ao caminho do crescimento saudável e estável em benefício dos dois países e do mundo em geral.

Leia mais sobre o assunto: Xi quer “conversa franca” com Biden sobre questões chave para relação China/EUA

Blair serviu para a Comissão de Estratégia Integrada a Longo Prazo na administração Reagan. Na sua opinião, boas relações entre os EUA e a China podem fazer do mundo um lugar muito melhor, mas más relações levam a um potencial perdido, na melhor das hipóteses, e a uma catástrofe inimaginável, na pior das hipóteses.

David Blair

Desde 2017, Donald Trump declarou a China um “concorrente estratégico” e lançou uma guerra comercial contra a China no ano seguinte, uma queda abrupta nas relações China-EUA. Em Outubro de 2022, o governo dos EUA introduziu novas proibições de exportação na indústria de chips da China.

“As relações têm sido más ultimamente, especialmente depois da viagem de Pelosi a Taiwan“, disse Blair.

Blair observou que durante alguns anos, os EUA habituaram-se a um mundo onde se via a si próprios como a “única superpotência”, e tem estado a jogar um jogo de soma negativa. “Isto é perigoso e na realidade causa muitos danos ao povo americano que perde oportunidades económicas e tem sido sujeito a guerras intermináveis”.

E acrescentou, “os EUA e a China têm na realidade muitos interesses em comum e poucos em conflito. Precisamos de construir sobre as coisas que temos em comum, em vez de usarmos muita propaganda negativa contra a China e de agirmos contra os interesses do povo americano”.

Leia também: Biden e Xi prometem evitar conflito EUA-China durante reunião em Bali

Durante a reunião, os dois presidentes chegaram a um acordo nos domínios da saúde pública e da agricultura, encorajam e apoiam o intercâmbio entre os povos China-EUA, e expandem esse intercâmbio em todos os sectores.

“Estas questões de acordo são importantes, mas não são as questões fundamentais para evitar conflitos”, concluiu Blair, “espero que as relações China-EUA possam melhorar substancialmente num futuro próximo, mas isto exigirá mudanças profundas na forma como a administração Biden vê o mundo”.

O G20 deveria considerar uma maior expansão

Com o tema “Recuperar Juntos, Recuperar Mais Forte”, a cimeira do G20 tem a recuperação económica no topo da agenda. O Presidente Xi apresentou uma proposta de três pontos ao abordar a cimeira do G20, dizendo que precisamos de promover um desenvolvimento global mais inclusivo, universalmente benéfico e resiliente.

Na opinião de Blair, todas as palavras do Presidente Xi sobre os objectivos de desenvolvimento são importantes: “Como vimos, o actual sistema financeiro e económico mundial é instável e vulnerável a choques económicos e geopolíticos, precisamos de construir um sistema menos concentrado e mais resiliente para que os choques futuros sejam menos devastadores”.

Leia também: Chanceleres de Rússia e China reúnem-se em Bali antes do G20

Aponta, dentro dos EUA, quase todos os ganhos económicos dos últimos 40 anos foram apreendidos por uma pequena classe de elite. E muitas nações são vulneráveis à exploração económica por parte de alguns bancos e corporações globais.

“Tanto dentro dos países como entre nações, precisamos de corrigir isto, criando um sistema de desenvolvimento mais inclusivo e universalmente benéfico”, observou Blair. Para atingir este objectivo, disse ao jornalista do GDToday que o G20 deveria tornar-se o G21, incluindo a União Africana.

“A economia mundial já não é dominada pelos mesmos países do G7 que eram economicamente dominantes há 20 a 30 anos”, disse ele. “O G20 é importante porque atrai actores económicos em ascensão e inclui outros interesses e pontos de vista”.

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!