China alerta que não vai tolerar 'separatistas' taiwaneses - Plataforma Media

China alerta que não vai tolerar ‘separatistas’ taiwaneses

A China afirmou que adotará a política de tolerância zero com as “atividades separatistas” em Taiwan e insistiu que retomará a ilha pela força, se necessário, de acordo com um livro branco publicado nesta quarta-feira (10).

A Questão de Taiwan e a Reunificação da China na Nova Era“, o livro branco publicado pelo Escritório de Assuntos de Taiwan do Conselho de Estado chinês, define como Pequim pretende tomar a ilha por meio de incentivos econômicos e pressão militar.

“Estamos preparados para criar um vasto espaço para a reunificação pacífica, mas não deixaremos espaço para atividades separatistas de nenhuma forma”, destaca o livro branco.

Leia também: Taiwan inicia exercícios militares e acusa China de preparar invasão

A advertência de Pequim foi divulgada após vários dias de manobras militares chinesas ao redor de Taiwan, organizadas em resposta à visita a Taipé da presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.

A congressista se tornou na semana passada a principal autoridade americana a visitar Taiwan em décadas, apesar da ameaça de represálias da China, que busca manter Taipé isolada do cenário mundial.

Leia mais sobre o assunto: VÍDEO: Presidente da Câmara dos Deputados dos EUA chega a Taiwan

“Trabalharemos com a maior sinceridade e faremos todo o possível para alcançar a reunificação pacífica. Mas não renunciaremos ao uso da força e nos reservamos a opção de adotar todas as medidas necessárias”, destaca o documento.

“Isto é para nos proteger contra a interferência externa e todas as atividades separatistas. De nenhuma maneira tem como alvo nossos compatriotas chineses em Taiwan. O uso da força será o último recurso tomado em circunstâncias terríveis”, acrescenta.

A edição anterior do livro branco sobre Taiwan foi publicada pela China no ano 2000. O novo documento foi divulgado no mesmo dia que um líder da oposição taiwanesa viajou à China para reunir-se com empresários taiwaneses, apesar do pedido de Taipé para que cancelasse a viagem. Andrew Hsia, vice-presidente do partido Kuomingtan, de tendência pró-Pequim, fez a visita em caráter pessoal e não passou por Pequim.

Leia também: Taiwan inicia exercícios militares com fogo real

Mas a presidente taiwanesa Tsai Ing-wen o criticou duramente por atravessar o Estreito de Taiwan no momentos em que a China executa manobras ao redor da ilha. Desde a década de 1990, a ilha passou de uma autocracia para uma democracia vibrante e desenvolveu uma identidade taiwanesa particular.

As relações entre as duas partes pioraram desde 2016, quando chegou ao poder a atual presidente Tsai, cujo Partido Progressista Democrático não considera Taiwan como parte da China.

Sua plataforma se encaixa na definição do que a China considera separatismo taiwanês, que também inclui aqueles que desejam que a ilha tenha uma identidade separada do território continental.

Temor de invasão

O livro branco chinês promete a Taiwan prosperidade econômica, assim como “mais segurança e dignidade” depois da “reunificação”.

Mas a oferta foi divulgada depois do maior exercício militar que a China organizou ao redor da ilha, incluindo simulações de bloqueio. As manobras geraram o temor de que as autoridades comunistas chinesas estariam preparando uma invasão. Os exercícios deveriam ter acabado no domingo, mas prosseguiram durante a semana, sem um anúncio sobre a data de encerramento. O Exército Popular de Libertação (EPL) revelou nesta quarta-feira detalhes dos exercícios executados na véspera ao redor Taiwan.

O comando leste do EPL afirmou que as simulações de terça-feira se concentraram em estabelecer domínio aéreo, liberar vídeos e fotos dos aviões de combate ao decolar e realizar manobras, como reabastecer em pleno voo com um avião-tanque. As Forças Armadas anunciaram posteriormente que completaram “com sucesso várias tarefas”, sem explicar se mais exercícios estão programados.

Leia também: Biden não espera escalada por manobras chinesas ao redor de Taiwan

“As tropas (no leste) vão monitorar as mudanças na situação do Estreito de Taiwan, continuarão realizando treinamentos militares e se preparando para a guerra”, acrescentou o EPL.

Taiwan acusa a China de utilizar a visita de Pelosi como pretexto para treinar uma invasão. A ilha executou os próprios exercícios militares para contra-atacar uma ação a seu território e divulgou imagens das manobras de seu exército, marinha e aeronáutica.

Os exercícios taiwaneses provocaram outro alerta chinês na terça-feira. Qualquer conspiração para “resistir à reunificação por meio das armas… terminará em fracasso, como um inseto que tenta parar uma carruagem”, disse o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Wang Wenbin.

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter