Angola arrecadou 11,8 mil milhões de dólares no segundo trimestre deste ano com a exportação de petróleo - Plataforma Media

Angola arrecadou 11,8 mil milhões de dólares no segundo trimestre deste ano com a exportação de petróleo

Angola arrecadou 11,8 mil milhões de dólares (11 milhões de euros), no segundo trimestre deste ano, com a exportação de 103,6 milhões de barris de petróleo bruto, mais 75,5 por cento comparativamente a igual período de 2021, segundo dados oficiais.

Os dados constam do Balanço das Exportações de Petróleo Bruto e Gás Natural referente ao segundo trimestre de 2022 apresentados hoje pelo Ministério dos Recursos Mineras, Petróleo e Gás.

Leia também: Receita do petróleo em Angola sobe 71%

No período em referência o barril de petróleo registou o preço médio de 113,91 e exportou 1.139 milhões de barris por dia, tendo sido os principais destinos do petróleo bruto exportado a China, com 54,9 por cento, a Índia, com 7,34 por cento, a Holanda, com 6,42 por cento, e a Itália, com 6,34.

A receita bruta arrecadada representou um aumento de 116,6 por cento, comparativamente com o primeiro trimestre de 2022 e 75,5 em relação ao período homólogo de 2021.

Do volume total exportado, 26,18 por cento pertence à Agência Nacional de Petróleo e Gás e 14,53 à Sonangol, petrolífera estatal, enquanto a TotalEnergies foi responsável pela exportação de (14,15 por cento), a ESSO (9,81), a BP (9,17), a Eni (6,32), a SSI (6,31), a Cabgoc e a Equinor, com 6,30 e 5,60 por cento, respetivamente.

Leia também: Concorrentes perfilados na corrida para o voto em Angola

O preço do petróleo bruto foi influenciado positivamente no mercado internacional pelas sanções impostas à Rússia pelo ocidente, que resultou na queda da sua produção de petróleo e gás, a manutenção do aumento gradual da oferta de petróleo bruto por parte da Opep+, o acordo pela União Europeia para o corte de até 90 por cento das importações de petróleo e produtos refinados russos e a queda de produção da Líbia e Equador, bem como a flexibilização das restrições da pandemia da covid-19 pela China.

Assine nossa Newsletter