Negociações para salvar acordo nuclear iraniano são retomadas em Viena

Negociações para salvar acordo nuclear iraniano são retomadas em Viena

As negociações para tentar salvar o acordo nuclear iraniano, retomadas nesta segunda-feira (27) em Viena, serão “muito difíceis”, alertou o coordenador da União Europeia (UE), Enrique Mora

Após cinco meses de interrupção, as conversas para salvar o acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano de 2015 foram retomadas no fim de novembro em Viena entre os países negociadores (Alemanha, França, Reino Unido, China, Irã e Rússia).

Mora, que preside a reunião, indicou que todas as partes mostraram “uma clara vontade de trabalhar para o sucesso desta negociação”, o que é “um bom presságio”.

“Vamos trabalhar seriamente nos próximos dias e semanas… será muito difícil”, completou.

Os negociadores trabalharão até a sexta-feira e darão uma pausa nas conversas durante o fim de semana por razões logísticas, revelou Mora.

O acordo alcançado em 2015 concedia à República Islâmica o levantamento de parte das sanções que sufocavam sua economia em troca de uma redução drástica de seu programa nuclear, sob controle estrito da ONU.

O que está em jogo nessa nova rodada de negociações é conseguir o retorno dos Estados Unidos ao pacto, depois que o país deixou o acordo em 2018 e restabeleceu as sanções contra o Irã. Os Estados Unidos participam indiretamente das negociações, já que Teerã se recusa a manter negociações diretas com Washington.

“Hoje se abre um novo ciclo de negociações. A questão das garantias e verificação” do levantamento das sanções americanas se Washington voltar ao acordo “está na ordem do dia”, declarou o ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian.

Petróleo iraniano

“O mais importante para nós é chegar a um ponto em que possamos verificar que o petróleo iraniano é vendido facilmente e sem limites, que o dinheiro do petróleo chegue às contas bancárias iranianas em moeda estrangeira e que possamos nos beneficiar de todas as receitas nos diferentes cenários econômicos”, completou o chanceler.

“Chegamos a um documento comum sobre o programa nuclear e sobre as sanções. Hoje começarão as primeiras negociações [sobre este tema]”, acrescentou.

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Saeed Khatibzadeh, havia aconselhado “todos os participantes nas negociações a virem a Viena com a vontade de chegar a um bom acordo”, já que o Irã se nega a “perder tempo e energia”.

Também lembrou que a delegação iraniana “se concentrará em dois assuntos: o levantamento das sanciones e a atividade nuclear”.

‘O tempo está acabando’

Os Estados Unidos advertiram o Irã que não desejam que as discussões durem uma eternidade, mas, por ora, não deram nenhum ultimato. 

Restam apenas “umas poucas semanas” para salvar o acordo nuclear iraniano se Teerã continuar expandindo suas atividades atômicas no ritmo atual, assinalou na semana passada o negociador americano Rob Malley, que também alertou para uma “crise” em caso de fracasso da diplomacia.

O mesmo tom é adotado por parte de França, Alemanha e Reino Unido (E3): “O tempo está acabando. Na falta de um progresso rápido, dada a velocidade de avanço do programa nuclear do Irã, o acordo logo se transformará em letra morta”, advertiram altos funcionários.

Em resposta ao restabelecimento das sanções contra si, o Irã deixou de cumprir gradualmente as limitações impostas a seu programa nuclear, apesar de negar qualquer intenção de desenvolver uma arma atômica.

Nesse sentido, o diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica, Mohammad Eslami, garantiu no sábado que a República Islâmica não tem a intenção de enriquecer urânio em mais de 60%, mesmo em caso de fracasso das negociações. 

O representante permanente da Rússia para as Organizações Internacionais em Viena, Mikhail Ulyanov, classificou a declaração iraniana como uma “mensagem positiva”.

Já o ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, cujo país teme que o Irã, país inimigo, venha a se equipar com a arma atômica, declarou nesta segunda-feira que “frear o programa nuclear de Teerã” é “o primeiro desafio para a política externa e de segurança de Israel”.

“Preferimos atuar através da cooperação internacional, mas, se for necessário, vamos nos defender sozinhos”, acrescentou Lapid.

Related posts
ChinaPolítica

EUA falharam tentativa de politizar Jogos Olímpicos de Pequim

Lifestyle

Adele chora ao cancelar espetáculos em Las Vegas devido ao Covid

ChinaPolítica

Pequim protesta contra presença de navio militar dos EUA no Mar da China

MundoPolítica

Blinken pede que Putin escolha 'via pacífica' durante visita à Ucrânia

Assine nossa Newsletter