Senado dos EUA aprova proposta para subir limite da dívida federal

Senado dos EUA aprova proposta para subir limite da dívida federal

O Senado dos EUA aprovou na terça-feira legislação para elevar o limite da dívida federal, em 2,5 mil milhões de dólares, depois de um acordo entre democratas e republicanos

Esta questão volátil fica assim adiada para depois das eleições de meio mandato.

A votação segundo linhas partidárias, com 50 a favor e 49 contra, foi feita apenas a um dia do prazo limite estabelecido pela secretária do Tesouro, Janet Yellen, que preveniu no mês passado que estava a ficar sem margem de manobra para evitar o primeiro incumprimento na história do país.

A medida segue agora para a Câmara dos Representantes, onde um voto pode ocorrer na noite de quinta-feira, de onde seguirá para a Casa Branca.

“Isto trata-se de pagar dívida acumulada pelos dois partidos, pelo que estou contente por democratas e republicanos estarem juntos”, declarou o chefe da maioria democrata, no Senado, Chuck Schumer, eleito por Nova Iorque, a propósito do acordo, que permitiu aos democratas evitar a manobras republicanas de obstrução.

Apesar do seu nome, o limite da dívida faz pouco para controlar a subida desta. Criado em 1917, serve como travão a decisões de despesas já aprovadas pelo Congresso e pela Casa Branca – alguma há décadas -, que se não forem pagas poderiam lançar a economia norte-americana em recessão, abalar os mercados mundiais e cortar a confiança nos EUA.

Mas este cenário não impediu os ataques dos republicanos. Durante meses, usaram o limite da dívida para atacar a agenda democrata de fortes investimentos sociais e ambientais, garantindo que se iriam opor a qualquer subida do limite.

Mas, com o acordo agora alcançado, recuaram. Em todo o caso, os democratas assumiram um voto politicamente difícil sem o apoio republicano, ao aumentarem o limite da dívida por um montante significativo, que vai ser usado contra eles em futuros anúncios políticos.

Mas os argumentos dos republicanos ignoram verdades que lhes são inconvenientes.

A dívida federal, de 29 biliões de dólares, em estado a subir desde há décadas.

Do lado da despesa, os principais contributos vêm de programas de despesas sociais, dos juros da dívida e dos recentes pacotes de ajuda e assistência devido à pandemia.

Mas os impostos também, designadamente os cortes decididos pelos presidentes republicanos em décadas recentes.

Só durante a presidência de Donald Trump, a dívida federal subiu 7.8 biliões de dólares, mostram os registos do Departamento do Tesouro.

Related posts
ChinaPolítica

EUA falharam tentativa de politizar Jogos Olímpicos de Pequim

Lifestyle

Adele chora ao cancelar espetáculos em Las Vegas devido ao Covid

ChinaPolítica

Pequim protesta contra presença de navio militar dos EUA no Mar da China

MundoPolítica

Blinken pede que Putin escolha 'via pacífica' durante visita à Ucrânia

Assine nossa Newsletter