EUA anunciam boicote diplomático aos Jogos de Inverno de Pequim

EUA anunciam boicote diplomático aos Jogos de Inverno de Pequim

Os Estados Unidos enviarão seus atletas, mas nenhum representante diplomático, aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 devido a violações dos direitos humanos por parte da China, anunciou a Casa Branca nesta segunda-feira (6).

EUA boicotam diplomaticamente os Jogos de Inverno. Estando presente, “a representação diplomática americana trataria estes Jogos como se nada tivesse acontecido, apesar das flagrantes violações dos direitos humanos e das atrocidades da China em Xinjiang. E simplesmente não podemos fazer isso”, afirmou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

A China havia alertado anteriormente que tomaria “contramedidas” se os Estados Unidos recorressem a tal boicote, chamando-o de “fanfarronice”.

“Se os Estados Unidos quiserem fazer as coisas do seu jeito a todo custo, a China tomará contramedidas firmes”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian. 

“Insisto que as Olimpíadas de Inverno não são um cenário para uma postura política e manipulação”, acrescentou.

Com este boicote, nenhum representante do governo dos Estados Unidos assistirá aos Jogos Olímpicos ou Paralímpicos, mas os atletas do país vão participar das duas competições.

“Os atletas da equipe americana contam com todo o nosso apoio. Estaremos dando a eles 100% de suporte, enquanto torcemos por eles daqui”, afirmou Jen Psaki.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) saudou o fato de a decisão “política” de Washington não impedir a participação de atletas americanos.

“A presença de funcionários do governo e diplomatas é uma decisão puramente política de cada governo, que o COI, em sua neutralidade política, respeita plenamente”, disse um porta-voz da entidade olímpica à AFP nesta segunda-feira.

“Cheque em branco para Pequim”

O Departamento de Estado americano disse que funcionários diplomáticos estarão presentes em Pequim “para garantir a nossos atletas, técnicos e indivíduos associados à equipe olímpica dos Estados Unidos que estão seguros”. 

O que representa “uma questão diferente da representação diplomática oficial”, segundo o porta-voz Ned Price.

Durante meses, o governo americano vinha buscando a melhor forma de se posicionar com relação aos Jogos de Inverno, um evento popular e planetário, que será realizado entre 4 e 20 de fevereiro de 2022 em um país ao qual acusa de praticar um “genocídio” contra os muçulmanos uigures de Xinjiang, no noroeste da China.

As autoridades chinesas denunciam sistematicamente a “interferência” de ocidentais que condenam esta situação, afirmando que são “centros de formação profissional” para apoiar o emprego e combater o extremismo religioso.

Após o anúncio da Casa Branca, vários políticos americanos saudaram o boicote. “As últimas três décadas de abusos e repressão por Pequim mostram que a comunidade internacional não pode mais assinar um cheque em branco para Pequim e esperar que seu comportamento simplesmente mude”, disse a líder democrata da Câmara, Nancy Pelosi.

Leia também: Biden diz que EUA “estão a considerar” boicote a Pequim2022

Do lado republicano, o senador Mitt Romney declarou que o boicote era “a mensagem correta” para enviar a Pequim, “sem punir os atletas americanos”.

“Os Jogos Olímpicos nunca mais devem ser atribuídos a um país que comete genocídio e viola de maneira tão flagrante os direitos humanos de seus próprios cidadãos”, completou em um tuíte Romney, que chefiou o comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Inverno de Salt Lake City-2002.

Já o ex-chefe da diplomacia americana sob a administração Trump, Mike Pompeo, pediu um boicote completo dos Jogos.

“O Partido Comunista da China não dá a mínima para um boicote diplomático, porque no final das contas eles vão receber os atletas do mundo todo”, criticou no Twitter.

Justiça para os sobreviventes

Para Sophie Richardson, diretora para a China da ONG Human Rights Watch, este boicote representa “uma etapa crucial para confrontar o Estado chinês com seus crimes contra a humanidade dirigidos contra os uigures e as populações de língua turca”. 

“Mas não deve ser a única ação”, acrescentou. “Os Estados Unidos devem agora redobrar seus esforços com os Estados alinhados na questão para investigar e determinar os melhores caminhos para que os responsáveis por estes crimes prestem contas e se faça justiça aos sobreviventes”. 

O Comitê Olímpico dos Estados Unidos, por sua vez, se opõe a um boicote total, explicando que os Jogos são importantes após meses de pandemia. 

No passado, argumentou a entidade, o boicote aos Jogos de Moscou em 1980, liderado pelos Estados Unidos e apoiado por cerca de 60 outros países, e de Los Angeles em 1984, promovido pela antiga União Soviética e seus aliados, mostrou que usar esses eventos como um “instrumento político “foi um” erro”.

Os Jogos de Inverno de Pequim serão realizados de 4 a 20 de fevereiro de 2022.

Related posts
MundoPolítica

Blinken pede que Putin escolha 'via pacífica' durante visita à Ucrânia

ChinaMundo

EUA pedem à ONU o relatório de Xinjiang antes dos JO de Pequim

MundoTransportes

Companhias aéreas alertam para potencial 'caos' se 5G não for limitada

MundoPolítica

Crença em fraude eleitoral segue forte entre eleitores leais a Trump

Assine nossa Newsletter