43 países exigem à China respeito por direitos de uigures

43 países exigem à China respeito por direitos de uigures

Pelo menos 43 países, incluindo Portugal, exigiram à China que garanta “o pleno respeito pelo Estado de Direito” na região autónoma de Xinjiang, onde a salvaguarda dos direitos humanos da etnia uigur continua “particularmente preocupante”

A exigência consta de uma declaração conjunta lida na quinta-feira pelo embaixador francês nas Nações Unidas, Nicolas de Rivière, numa reunião virtual da terceira comissão da Assembleia-Geral da ONU, especializada nos direitos humanos.

A declaração, à qual Portugal se associou este ano, fala de tortura, tratamentos cruéis, desumanos e degradantes, de esterilização forçada, violência sexual e de género e separação forçada de crianças, “visando de maneira desproporcionada os uigures e membros de outras minorias” étnicas.

Pequim, através do embaixador chinês na ONU, Zhang Jun, refutou na mesma reunião as acusações que considerou infundadas e disse tratar-se de uma “conspiração para prejudicar a China”.

“Xinjiang goza de desenvolvimento e as pessoas emancipam-se a cada dia e orgulham-se dos progressos feitos”, afirmou o diplomata chinês, apoiado por Cuba, que criticou a ingerência nos assuntos internos da China.

Os países que subscrevem a declaração reclamam o acesso imediato a Xinjiang de observadores independentes, incluindo do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, evocando informações credíveis sobre a existência de “campos de reeducação política onde mais de um milhão de pessoas estão detidas arbitrariamente”.

Após ter 23 signatários há dois anos, a declaração recolheu em 2020 o apoio de 39 nações, às quais se juntaram em 2021, nomeadamente, Portugal, Turquia, República Checa, entre outros, de acordo com diplomatas citados pela agência noticiosa francesa AFP.

Related posts
MundoSociedade

274 milhões de pessoas no mundo vão precisar de ajuda humanitária

MundoPolítica

Guterres critica comunidade internacional pelo tratamento a África

Mundo

Após COP26, mundo deve adotar ações rápidas para evitar catástrofe

ChinaPolítica

Como fica a nova dinâmica EUA-China com acordo climático

Assine nossa Newsletter