Irão admite voltar às negociações antes do início de novembro

Irão admite voltar às negociações antes do início de novembro

O Irão está a considerar retomar antes do início de novembro as negociações com as grandes potências para relançar o acordo nuclear, suspenso desde junho, disse hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano em Teerão

O Irão poderá voltar às negociações antes de novembro. Quem o disse foi o porta-voz do ministério, Said Khatibzadeh, quando questionado numa conferência de imprensa sobre o que o Irão queria dizer com “muito em breve”, uma expressão usada pelo novo ministro dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amir-Abdollahian, no final de setembro, e por outras autoridades iranianas.

Khatibzadeh disse que este reinício não levará mais de 90 dias desde o dia da posse do Presidente iraniano, Ebrahim Raissi, 03 de agosto, o que significa antes do início de novembro.

Por 90 dias, o porta-voz iraniano referia-se ao período entre a tomada de posse do Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, em 20 de janeiro, e o início das conversações nucleares em 15 de abril, em Viena.

“Penso que não vamos demorar o mesmo tempo que a administração Biden levou [para negociar] em Viena. Penso que [o regresso dos negociadores iranianos] não levará 90 dias, contados a partir da tomada de posse” de Raissi, disse Khatibzadeh.

Concluído em 2015, o acordo nuclear ofereceu ao Irão o levantamento de algumas sanções ocidentais e das Nações Unidas em troca do seu compromisso de nunca adquirir armas atómicas e de uma redução drástica do seu programa nuclear, colocado sob rigoroso controlo da ONU.

Após a retirada unilateral dos EUA do acordo em 2018, sob a presidência de Donald Trump, Teerão abandonou gradualmente a maior parte dos seus compromissos.

As conversações de Viena, nas quais os EUA estão indiretamente envolvidos, visam, ao mesmo tempo, reintegrar Washington no acordo e assegurar que o Irão cumpre os seus compromissos de não adquirir armas nucleares.

O acordo de 2015 foi assinado entre o Irão e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, China, Rússia, França e Reino Unido) e a Alemanha.

Related posts
MundoPolítica

AIEA diz que Irão negou acesso indispensável a instalações nucleares

MundoPolítica

Ocidente pede a Teerão que volte às negociações sobre questão nuclear

EconomiaMundo

Novo presidente iraniano Raisi prestará juramento diante do Parlamento

MundoPolítica

EUA pedem ao Irão que acabe com suas 'provocações' nucleares

Assine nossa Newsletter