Haiti em crise com eleições adiadas e sem data definida

Haiti em crise com eleições adiadas e sem data definida

As eleições presidenciais, legislativas e o referendo constitucional previstos para novembro e janeiro no Haiti foram adiados por prazo indeterminado, após a destituição de membros do corpo eleitoral pelo governo nesta segunda-feira (27), ampliando a crise do país

O Haiti está em crise ecom eleições adiadas. Desde a nomeação em 2020 do presidente Jovenel Moise, assassinado em 7 de julho na sua residência por um comando armado, que os nove membros do Conselho Eleitoral Provisório (CEP) têm sido duramente criticados pela oposição e por membros da sociedade civil.

Depois de ter elaborado vários calendários eleitorais ao longo do ano, o CEP fixou o dia 7 de novembro para a realização do primeiro turno das eleições presidenciais e legislativas, assim como de um referendo constitucional. O segundo turno foi marcado para 23 de janeiro de 2022, junto com as eleições municipais e locais.

Mas o primeiro-ministro Ariel Henry anunciou nesta segunda a destituição dos membros do CEP e a nomeação de um novo conselho, sem definir datas claras.

O assassinato de Moise em julho aprofundou a crise institucional em que o Haiti está mergulhado há anos. Antes de sua morte, o presidente era criticado por não ter organizado eleições desde que assumiu o cargo, em fevereiro de 2017.

Por falta de eleições, o Parlamento haitiano não tem deputados desde janeiro de 2020, e apenas 10 dos 30 senadores – cujo mandato terminou em fevereiro de 2023 – ainda ocupam os cargos.

A ausência de qualquer agenda eleitoral enfraquece a classe política, decomposta e confrontada, enquanto o país enfrenta uma forte crise humanitária e de segurança.

Related posts
MundoPolítica

Advogada midiática se torna a primeira mulher presidente da Eslovênia

BrasilPolítica

Lula espera que Bolsonaro 'aceite' resultado se for derrotado nas eleições

MundoPolítica

Guterres diz que Haiti atravessa “situação de pesadelo”

MundoPolítica

Conselho de Segurança da ONU está dividido sobre envio de força de segurança ao Haiti

Assine nossa Newsletter