Três cidades chinesas entre as 10 com custo de vida mais alto

Três cidades chinesas entre as 10 com custo de vida mais alto

Três cidades chinesas – Hong Kong (2.º), Xangai (6.º) e Pequim (9.º) – estão entre as 10 cidades mais caras do mundo, indica o ranking anual Custo de Vida, da consultora internacional Mercer, divulgado esta semana

Macau não surge na classificação que integra um total de 209 cidades espalhadas por cinco continentes.

O ranking é encabeçado este ano por Ashgabat, no Turquemenistão, por troca com Hong Kong, que caiu para o segundo lugar na lista. Na 3.ª posição aparece Beirute. Entre as cinco cidades mais dispendiosas do mundo para trabalhadores estrangeiros encontra-se ainda Tóquio (4.º) e Zurique (5.º). O top-10 integra, além das três cidades chinesas, Singapura (7.º), Genebra (8.º), e Berna (10.º). Mais de metade das 10 metrópoles mais caras do mundo estão concentradas na Ásia.

Além da China, a Suíça é o outro país que também tem três cidades entre o top-10.

Se ampliarmos a lista até às primeiras 20 cidades, observa-se que a China é responsável por um quarto das metrópoles com custo de vida mais elevado do planeta, com a entrada de Szenzhen (12.º) e Cantão (17.º).

Nova Iorque (14.º) é a cidade mais cara dos EUA.

Entre as cidades de países de língua portuguesa mencionados na lista, a primeira a aparecer é Lisboa (83.º), Luanda (123º), São Paulo (177.º) e Maputo (179.º).

No lado oposto, Tbilisi (207º), Lusaka (208º) e Bishkek (209.º) são as que têm o custo de vida mais baixo, com a capital do Quirguistão a ser a menos dispendiosa entre as cidades analisadas.

O trabalho da Mercer destina-se a prestar apoio a multinacionais e governos para estes determinarem estratégias de compensação para os colaboradores no exterior. O estudo anual da consultora mede o custo comparativo de mais de 200 itens em cada cidade, designadamente habitação, alimentação, transportes, vestuário e entretenimento.

“O custo de vida é desde sempre um fator de planeamento internacional da mobilidade, mas a pandemia trouxe mais complexidade ao processo, assim como outras consequências de longo prazo para os colaboradores em áreas como, a segurança, a saúde, as políticas de trabalho à distância e a flexibilidade”, assinalou o responsável das áreas de Estratégia e Carreiras da Mercer, Ilya Bonic.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
ChinaSociedade

Milhares em quarentena em Pequim depois que um homem violou normas anticovid

Sociedade

Novas restrições anticovid transformam Pequim em uma cidade fantasma

ChinaSociedade

Pequim reforça medidas para conter Covid-19

Política

Pequim não está a enviar assistência militar para a Rússia

Assine nossa Newsletter