Johnson pede ao G7 que "vacine o mundo" contra Covid antes do fim de 2022

Johnson pede ao G7 que “vacine o mundo” contra Covid antes do fim de 2022

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pedirá aos líderes dos países do G7 que se unam para “vacinar o mundo” antes de acabar 2022 para pôr um fim na pandemia de covid-19, anunciou seu gabinete neste sábado (5).

O chefe do governo britânico, que sediará a cúpula do G7 de sexta a domingo na Cornualha (sudoeste da Inglaterra), pedirá aos seus homólogos dos países mais industrializados (Reino Unido, França, Itália, Canadá, Japão, Alemanha e Estados Unidos) que tomem “medidas concretas” para atingir essa meta, de acordo com um comunicado divulgado na noite deste sábado por Downing Street.

A cúpula marca o primeiro encontro presencial dos líderes do G7 desde que a pandemia estourou há um ano e meio e será a primeira com a participação do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um sinal de que os Estados Unidos voltaram ao multilateralismo após o mandato de Donald Trump.

“Na semana que vem os líderes das maiores democracia do mundo se reunirão em um momento histórico para nossos países e nosso planeta”, declarou Boris Johnson.

“O mundo espera que assumamos o maior desafio do pós-guerra: derrota a covid-19 e liderar uma recuperação global impulsionada por nossos valores compartilhados”, completou, afirmando que “vacinar o mundo até o fim do ano que vem seria o maior feito da história da medicina”.

O Reino Unido anunciou em fevereiro que doará a maior parte de seus excedentes de vacinas através do programa internacional Covax.

Mas, apesar da campanha de vacinação estar muito avançada no Reino Unido, o país ainda não conta com esses excedentes, informou na sexta-feira o secretário de Saúde britânico, Matt Hancock.

Johnson também espera promover um sistema de vigilância mundial para detectar novas variantes antes que elas se propaguem.

A cúpula do G7 foi precedida por várias reuniões de ministros de seus países membros e resultou em um compromisso histórico para o estabelecimento de um imposto mínimo de 15% para as grandes empresas.

Artigos relacionados
EconomiaPolítica

G7 quer programa de investimento de 568 mil ME para países em desenvolvimento

Política

Boris Johnson perde força com derrotas eleitorais, mas insiste que permanecerá no cargo

MundoSociedade

Vacinas evitaram 19,8 mihões de mortes por covid-19 das 31,4 milhões potenciais

EconomiaMundo

Pandemia amplia as desigualdades e se nada for feito vão agravar-se, diz OIT

Assine nossa Newsletter