Juíza do Supremo manda abrir inquérito contra ministro do Ambiente do Brasil - Plataforma Media

Juíza do Supremo manda abrir inquérito contra ministro do Ambiente do Brasil

Uma juíza do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro determinou a instauração de inquérito ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por alegado favorecimento de madeireiros e por dificultar a fiscalização ambiental.

A decisão foi tomada pela juíza do STF Cármen Lúcia na quarta-feira, em resposta a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em abril, o ex-chefe da Polícia Federal do Amazonas Alexandre Saraiva tinha denunciado o ministro por atuar explicitamente a favor de madeireiros, na sequência na maior apreensão de madeira da história na Amazónia, durante a operação Handroanthus, no início do ano.

Ao pedir a abertura de um inquérito ao Supremo, a PGR informou querer investigar se o ministro cometeu crimes como “dificultar a fiscalização ambiental” ou “impedir ou embaraçar a investigação de infração penal que envolva organização criminosa”.

A PGR pediu ainda autorização para que sejam recolhidos os depoimentos do ministro, de proprietários rurais e agentes de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Departamento de Polícia Federal relacionados com a operação Handroanthus.

Ao analisar o pedido da PGR, Cármen Lúcia afirmou que, em tese, há factos que podem configurar delitos “cuja materialidade e autoria” precisam de ser averiguadas e considerou “imprescindível” uma investigação.

A magistrada autorizou assim as diligências propostas pela PGR e deu um prazo de 30 dias para que as investigações sejam realizadas.

Em comunicado à imprensa local, a assessoria de Ricardo Salles indicou que o “inquérito demonstrará que não há, nem nunca houve, crime nenhum”.

Alexandre Saraiva, afastado do cargo depois de ter acusado o ministro de ilegalidades, disse que, em 18 anos de Polícia Federal, nunca havia presenciado algo assim.

O ex-chefe da polícia indicou que Salles foi à área onde a madeira está apreendida, fez críticas à operação e, alegadamente, obstruiu e dificultou “a ação de fiscalização do Governo em questões ambientais”, utilizando o cargo para agir em favor de interesses privados.

Nesse sentido, Saraiva pediu ao STF para investigar o ministro por interferência na fiscalização dos crimes ambientais na região amazónica, relacionados com o abate ilegal de árvores.

Saraiva acionou o STF porque, na qualidade de ministro, Salles tem foro privilegiado, um direito dado no Brasil a algumas autoridades que ocupam cargos públicos, permitindo que não sejam julgadas pela justiça comum (primeira instância), como acontece normalmente nos processos judiciais.

Alexandre Saraiva denunciou ainda que fiscalizações e punições por delitos ambientais, aplicadas por órgãos governamentais, deixaram de acontecer nos últimos dois anos, período que coincide com a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência do Brasil, em janeiro de 2019.

Related posts
China

Empresa alerta para perigo em Central Nuclear

Mundo

"Modo de vida de mais de três mil milhões de pessoas depende dos oceanos”

MundoPolítica

Ministros do Ambiente da UE discutem estratégia de adaptação às alterações climáticas

Macau

Conselheiro do CPU sugere um “Central Park” nos novos aterros

Assine nossa Newsletter