Governo angolano vai construir cidade aeroportuária - Plataforma Media

Governo angolano vai construir cidade aeroportuária

O Governo angolano está a estudar as melhores formas para viabilizar, num curto prazo, em Icolo e Bengo, a construção de uma cidade aeroportuária, que pretende implantar na zona adjacente ao futuro Aeroporto Internacional de Luanda.

De acordo com o ministro dos Transportes, Ricardo Viegas d’Abreu, este projecto está enquadrado na estratégia em curso de tornar Luanda e o futuro aeroporto num Hub (Plataforma logística de referência) na mobilidade de passageiros e cargas de voos regionais e intercontinentais.
Neste momento, adiantou, o Plano Director está em fase de execução, para a posterior passar-se à fase de identificação dos parceiros e das formas de implementação.

O ministro Ricardo d’Abreu disse aos participantes ao “Fórum da Indústria Aeronáutica – O sector aeronáutico no contexto mundial e local”, realizado ontem, por via online, que esta medida é parte do Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022, para o subsector dos Transportes aos mais diversos segmentos de actividade.
Sem apontar custos e parceiros (privados) para darem corpo ao objectivo, o governante fez questão de assumir ser missão do sector que dirige garantir ao país o máximo de vantagens competitivas face à localização geográfica, infra-estruturas e toda a cadeia de serviços existentes disponíveis.

Nesse sentido, um dos indicadores dados pelo ministro, a ilustrar todo o empenho em curso, é o de estar em fase avançada o Plano de Gestão e Controlo do Espaço Aéreo (PGCA), para o qual foi aprovado um orçamento de 36 milhões de dólares.

“Incentivamos esta reunião, para reflectirmos sobre as questões actuais, que permitirão inferir sobre o futuro aeronáutico do nosso país, trazendo à mesma mesa, mesmo que de forma virtual, vários especialistas que vão olhar para os aspectos do crescimento social e do desenvolvimento económico e, os esforços de aumento da resiliência das rotas actuais para melhor sustentar, no futuro, toda a aviação no nosso continente africano”, afirmou.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter