Covid-19 roubou 12 milhões de estrangeiros e 3 mil milhões em receita - Plataforma Media

Covid-19 roubou 12 milhões de estrangeiros e 3 mil milhões em receita

As unidades de alojamento receberam 10,5 milhões de hóspedes em 2020, seis milhões dos quais residentes em Portugal.

Quase um ano depois do ido primeiro confinamento no país, em março do ano passado, o retrato da pandemia para o alojamento turístico está terminado: quebras de mais de 60% em hóspedes, dormidas e proveitos, revelam os dados finais do Instituto Nacional de Estatística referentes a 2020.

As consequências e repercussões que a covid-19 teria sobre o turismo eram desconhecidas naquela altura. Ainda em janeiro, em entrevista ao Dinheiro Vivo, Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal, recordava que “no início da pandemia, a nossa primeira reunião foi para saber se conseguiríamos salvar a Páscoa de 2020”.

Depois de anos sucessivos de recordes, janeiro e fevereiro do ano passado começavam a delinear aquele que seria mais um bom ano para o destino Portugal. A grande preocupação prendia-se com a capacidade do aeroporto de Lisboa e com a necessidade de acelerar a expansão da capacidade aeroportuária. Aliás, nesses dois meses, o número de hóspedes, dormidas e proveitos estava acima do período homólogo. Mas entre janeiro e março, o novo coronavírus galgou fronteiras e aterrou na Europa levando a mudanças para a atividade turística.

O confinamento em Portugal, e um pouco por toda a Europa – principais mercados emissores de turistas -, e o fecho de fronteiras levaram a que os meses de abril e maio fossem quase nulos para a atividade (abril contou com 53 mil hóspedes, contra os 2,3 milhões no mesmo mês de 2019; e maio com mais de 136 mil, o que compara com os 2,6 milhões de 2019), tendo muitas unidades encerrado ou ficado abertas, prestando sobretudo apoio a profissionais de saúde que não podiam regressar a casa ou preferiam não o fazer.

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Mais de metade da população considera que os políticos não devem ter prioridade na vacinação

PortugalSociedade

Reino Unido e Itália com mais impacto no início da pandemia em Portugal

PortugalSociedade

Quase menos 200 mil consultas e menos 21 mil cirurgias só em janeiro

PortugalSociedade

46% dos portugueses antecipam confinamento até à Páscoa

Assine nossa Newsletter