Força Aérea recebe mais seis aviões e aguarda por outros dois

Força Aérea recebe mais seis aviões e aguarda por outros dois

A Força Aérea angolana recebeu os últimos seis dos 12 jatos K-8W da China, adquiridos à Empresa Nacional de Importação e Exportação de Tecnologia Aeronáutica Chinesa (CATIC), companhia também responsável pelo futuro fornecimento de dois avões de transporte MA60.

De acordo com um despacho da agência noticiosa angolana, Angop, as autoridades receberam oficialmente o segundo lote daqueles aparelhos a 14 de dezembro, na Base Aérea da Catumbela, sede da Academia da Força Aérea Nacional, localizada a cerca de 500 quilómetros a sul da capital, Luanda.

Nas palavras do ministro da Defesa angolano, João Ernesto dos Santos, a aquisição dos aviões constituiu um “enorme investimento necessário” para reforçar o exército do país.

Os primeiros seis aparelhos chegaram em janeiro de 2020, após terem sido encomendados em 2018. No final de 2020, tinham acumulado 1.770 horas de voo em 1.265 voos, acrescentou a agência noticiosa.

A cerimónia de entrega do segundo lote dos K-8W coincidiu com a conclusão da formação de instrutores de seis pilotos angolanos.

O representante da CATIC Yuan Mu anunciou durante a cerimónia que a empresa iria também fornecer a Angola mais dois aviões de transporte MA60, depois de outros dois terem sido entregues em 2019, além de equipamento de apoio.

De acordo com a DefenceWeb, Angola não adquiriu muito equipamento militar no passado à China, privilegiando em vez disso material comprado à Rússia, principal fornecedor das Forças Armadas Angolanas.

A China já vendeu aviões K-8W a países africanos, incluindo a Zâmbia, Zimbabué, Tanzânia, Sudão, Gana, Egipto, e Namíbia. De facto, a maioria das exportações dos aviões de baixo custo tem sido para África.

O K-8W foi concebido no gigante asiático pela China Nanchang Aircraft Manufacturing Corporation, mas a principal contratante é a Hongdu Aviation Industry Corporation.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter