"Por trás da suposta radicalização islâmica em Cabo Delgado há interesses nas imensas riquezas" - Plataforma Media

“Por trás da suposta radicalização islâmica em Cabo Delgado há interesses nas imensas riquezas”

Fundador da primeira universidade privada moçambicana e mediador de paz entre o governo da Frelimo e a Renamo, Lourenço do Rosário diz que oferta do presidente Nyusi de proteção aos jovens que abandonarem grupos terroristas é sinal de haver estratégia a ser pensada para resolver violência no norte do país.

Quando a Renamo pegou de novo em armas em 2013 e pôs em causa os acordos de paz de 1991 com o governo da Frelimo, o académico Lourenço do Rosário acabou por ser no ano seguinte o mediador entre Afonso Dhlakama e o presidente Armando Guebuza, por indicação de ambos, o que mostra a influência que tem no país lusófono do Índico este doutorado por Coimbra em Literaturas Africanas. Personalidade independente, o também antigo reitor da Universidade Politécnica participa hoje entre as 11h30 e as 13h00 num debate online sobre Cabo Delgado e o papel dos atores externos, moderado por Fernando Jorge Cardoso, diretor do Clube de Lisboa. Atualmente Lourenço do Rosário é presidente do Fórum Nacional de Revisão de Pares da União Africana.

Leia mais em Diário de Notícias

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Novo relatório da AI descreve violações de direitos humanos em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Quase um milhão de pessoas passa fome severa devido aos ataques em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Cabo Delgado: 670 mil deslocados e 950 mil enfrentam fome

MoçambiquePolítica

MDN prevê cerca de 60 formadores de “forças especiais” em Moçambique

Assine nossa Newsletter