Crise pandémica e restrições explicam quebra no número de junkets - Plataforma Media

Crise pandémica e restrições explicam quebra no número de junkets

Existem actualmente 85 promotores de jogo em actividade, o número mais baixo em 15 anos. Dois analistas defendem que, tendo em conta a crise pandémica e as restrições impostas ao jogo VIP, e também pelas autoridades chinesas face à circulação de capital, a tendência será sempre de quebra no número de junkets com licença para operar

Dados divulgados esta quarta-feira em Boletim Oficial (BO) pela Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ) revelam que o número de junkets é hoje o mais baixo dos últimos 15 anos. Actualmente apenas 85 promotores de jogo têm licença para operar, menos 12 em relação a 2019. Em 2006 o número de junkets a operar no território era de 78.

Albano Martins, economista, viu os números e lembra que, dos 85 promotores, 51 são sociedades unipessoais, enquanto que nove são pessoas singulares e há apenas uma sociedade anónima, ou seja, com um capital social acima de um milhão de patacas. As restantes são sociedades por quotas. “A estrutura está muito concentrada em determinado tipo de pessoas que poderão não ter passado no teste ao nível do branqueamento de capitais. Podem não ter capacidade suficiente ou não ser fácil operar com mais controlo por parte das autoridades”, apontou.

Leia mais em Hoje Macau

Artigos relacionados
ChinaMacau

China está a negar vistos para Macau a jogadores frequentes

MacauPolítica

Jogo: Governo recua na proposta para acabar com casinos-satélite

ChinaEconomia

Pandemia e lei do jogo transformam o mercado laboral de Macau

ChinaMacau

FAOM quer mais discussão sobre garantia de empregos

Assine nossa Newsletter