Maior investimento privado em Cabo Verde leva aeroporto internacional à ilha do Maio - Plataforma Media

Maior investimento privado em Cabo Verde leva aeroporto internacional à ilha do Maio

O maior investimento privado em Cabo Verde, de 500 milhões de euros para criar 4.000 empregos no setor do turismo, vai levar à construção na ilha do Maio do quinto aeroporto internacional do arquipélago

“Está previsto dentro desse conceito, dentro desse programa e do plano de investimentos”, afirmou o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, questionado hoje pelos jornalistas durante a visita à ilha do Maio, que dispõe apenas de um aeródromo para voos domésticos.

A minuta de convenção de estabelecimento do “Little África Maio” foi assinada em 15 de dezembro, na cidade da Praia, entre o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, e o empresário espanhol Enrique Banuelos de Castro, sócio gerente da Internacional Holding Cabo Verde (IHCV), um consórcio que integra vários outros investidores africanos.

O Centro Turístico-Residencial, Cultural e de Negócios vai ser implementado na Zona de Desenvolvimento Turístico Integrado (ZDTI) da ilha do Maio, tendo como objetivo a promoção e aceleração do desenvolvimento da economia cabo-verdiana.

O complexo turístico tem um investimento global de 500 milhões de euros e prevê a criação de mais de dois mil postos de trabalho diretos durante a construção e mais de 4.000 empregos quando começar a funcionar.

O primeiro-ministro não se compromete com prazos para a construção do aeroporto, mas assume que será complementar ao investimento que agora vai arrancar no Maio, com conclusão da primeira fase em três anos.

“Não lhe posso dizer o prazo, porque isto tem muito a ver depois com o planeamento do investimento que resulta de uma parceria entre um investidor externo e também a Sociedade de Desenvolvimento Turística de Boa Vista e Maio”, acrescentou.

Cabo Verde já dispõe de quatro aeroportos internacionais, nas ilhas turísticas do Sal e da Boa Vista, bem como na Praia (Santiago) e em São Vicente.

Na minuta de estabelecimento para este investimento, a que a Lusa teve acesso, o Governo cabo-verdiano declarou o projeto de “interesse excecional” e de “enorme interesse nacional”, referindo que vai dotar a ilha de “infraestruturas de primeiro nível, edificadas em conformidade com parâmetros ambientais e de sustentabilidade definidos nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas”.

O complexo, a ser construído em três fases, vai ser gerido e explorado por uma nova empresa, a criar no quadro da parceria, denominada “Little Africa Services” (LAS).

Além da área de entretenimento, considerada a “âncora do projeto”, o complexo ainda terá museus e salas de exposições de países africanos, teatro, casino, lojas, centro de congressos/exibições e negócios, centro internacional de negócios, hospital, colégio internacional e habitações para os executivos, quadros e outros trabalhadores.

Com previsão para a primeira fase estar operacional dentro de três anos, a infraestrutura turística incluirá também um complexo turístico, denominado “Little África Resorts”, numa área residencial, que incluirá vivendas para cidadãos internacionais de elevado poder de compra.

O centro turístico é promovido por um grupo de empresários hoteleiros, representado pelo espanhol Enrique Banuelos de Castro, que é sócio gerente da IHCV.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
Cabo VerdeSociedade

Cabo Verde aumenta segurança com controlo biométrico nos aeroportos

BrasilSociedade

Dois mortos em operação antidroga em aeroporto internacional de São Paulo

Cabo VerdeSociedade

Aeroportos de Cabo Verde já perderam um milhão de passageiros

PortugalSociedade

Viajar de avião de e para Portugal tem novas regras. Saiba quais

Assine nossa Newsletter