Consagração de Marcelo Rebelo de Sousa ensombrada por um vírus

Consagração de Marcelo Rebelo de Sousa ensombrada por um vírus

A eleição de Marcelo Rebelo de Sousa para um segundo mandato como Presidente de Portugal será uma das poucas certezas do momento histórico que vivemos

Esta é a décima vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976. O ato eleitoral que se efetua no próximo domingo, dia 24, tem lugar num contexto profundamente difícil, inesperado e incerto. Não pelo lado político – que daqui não se esperam quaisquer alterações nem de regime, nem de correlações políticas – mas pelo lado social.

Marcada pela pandemia, esta eleição está a tornar-se um teste à capacidade de organização do Estado e do próprio regime democrático. Desde logo, através da introdução em massa do voto antecipado. No passado domingo, teve lugar o primeiro teste.

Inscreveram-se para votar antecipadamente nas eleições presidenciais 196.786 pessoas, um número que quase quadruplica o voto antecipado registado nas eleições para a Assembleia da República, em 2019, quando votaram antecipadamente 50.638 pessoas.

A meio desta semana, iniciou- -se o processo de recolha dos votos quase 13 mil idosos em lares e pessoas em confinamento devido à covid-19 que se inscreveram para votar antecipadamente.

Também as campanhas eleitorais e os debates entre candidatos levaram o carimbo “pela primeira vez”. Os tradicionais comícios, jantares de apoiantes e as “arruadas” não tiveram lugar. O “povo” não viu, não levou um beijo e um abraço do respetivo candidato, nem levou para casa um papel com o programa ou uma caneta para mais tarde recordar.

Os sete candidatos tiveram de inovar e grande parte da mensagem foi levada pelas redes sociais. Os comícios virtuais tornaram-se, também eles, parte do “novo normal”.

Foram muitas as vezes que Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre), falaram para salas vazias e a contar o número de visualizações das prédicas.

E o que disseram os candidatos aos portugueses? Da espuma das palavras proferidas, Covid e o posicionamento de André Ventura, foram os dois temas mais batidos. E a aposta no valor seguro das críticas ao posicionamento do atual presidente também estiveram na ordem do dia, sempre sob o chapéu do posicionamento político de cada candidato. Sem surpresas, portanto.

Marcelo Rebelo de Sousa partiu para a reeleição com o propósito de fazer história: bater os 70,35% de votos obtidos por Mário Soares em 1991, quando “passeou” para um segundo mandato no cargo de Presidente.

Marcelo Rebelo de Sousa sabe, agora, que mesmo batendo este número, ficará para a história por outros motivos. Será o presidente reeleito em plena pandemia.

O “presidente dos afetos” e das selfies resumiu a campanha enquanto candidato à participação em todos os debates levados a cabo pelas rádios e televisões – com a particularidade de num deles o ter feito a partir do Palácio de Belém quando se encontrava em pleno isolamento por ter testado positivo à Covid-19.

O atual presidente pode, ainda, ficar na história por outro motivo, também ele dramático para o processo de voto democrático: a abstenção.

Segundo as contas feitas por Carlos Jalali, professor de Ciência Política da Universidade de Aveiro, a abstenção pode ficar perto dos 75%.

Nos últimos 40 anos, as eleições para a Presidência da República em que um dos candidatos concorre a um segundo mandato são menos participadas do que aquelas em que o chefe de Estado não se recandidata. As do próximo dia 24 têm ainda a agravante de se realizarem em plena pandemia e confinamento, o que poderá contribuir para afastar ainda mais os eleitores, sobretudo os mais velhos, os que por tradição mais votam, mas que agora estão mais resguardados.

O recorde remonta a 2011, quando Cavaco Silva foi reconduzido: 53,5%. Há cinco anos, com Marcelo Rebelo de Sousa, a participação voltou a subir. Ainda assim 51,2% dos portugueses ficaram em casa, o valor mais elevado em eleições em que não havia recandidatos.

“Está criado o quadro para que venhamos a ter as presidenciais menos concorridas da história”, defende Viriato Soromenho-Marques, catedrático de Filosofia da Universidade de Lisboa. Perante este cenário, o maior receio vem do número de votos alcançados por André Ventura, o candidato posicionado mais à direita e com um discurso marcado por considerações muito próximas da extrema-direita.

Acolhendo a atenção dos chamados “descontentes”, André Ventura uso o discurso radical e nesta última semana de campanha posicionou-se contra os restantes seis concorrentes. Chamando para si uma disputa direta: ou eu ou Marcelo. “Eles [os órgãos da comunicação social] bem tentam levar as outras candidaturas ao colo, mas já não cola, por muito que deem o ar fofinho do João Ferreira ou da Marisa Matias ou do Marcelo Rebelo de Sousa, as sondagens já não sobem mais. É sinal de que lhes estamos a meter medo e vamos continuar a meter medo”, afirmou André Ventura.

Esta é a 10.ª vez que os eleitores portugueses são chamados a eleger o chefe de Estado depois da instauração da democracia em 25 de abril de 1974. As primeiras presidenciais realizaram- se a 27 de junho de 1976.

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Estado vai "poupar" cerca de 2,8 milhões com as Presidenciais

PolíticaPortugal

Oficial: Marcelo Rebelo de Sousa reeleito Presidente da República de Portugal

PolíticaPortugal

Eleições em Portugal serenas com afluência matinal maior do que em 2016

PolíticaPortugal

Covid impede 45 mil eleitores infetados de votar nas presidenciais

Assine nossa Newsletter