ONU alerta para situação humanitária “extremamente crítica” em Cabo Delgado - Plataforma Media

ONU alerta para situação humanitária “extremamente crítica” em Cabo Delgado

A coordenadora residente das Nações Unidas em Moçambique descreveu hoje a situação humanitária em Cabo Delgado como “extremamente crítica”, apontando o abrigo e alimentação como as principais necessidades das populações deslocadas devido à violência armada.

“A situação dos deslocados e das comunidades acolhedoras é extremamente crítica. Estamos muito preocupados, há várias crianças com clara evidência de subnutrição, há falta de abrigo e água tratada”, disse Myrta Kaulard, em entrevista à Lusa, em Maputo.

Para fazer face às necessidades das populações afetadas, a ONU lançou, na última semana, um apelo de 254 milhões de dólares (208 milhões de euros), um montante que visa responder às necessidade de 1,1 milhões de pessoas durante o próximo ano, incluindo os que se refugiaram nas províncias de Niassa e Nampula, vizinhas de Cabo Delgado.

“As necessidades estão a aumentar, começámos o ano de 2020 com 90 mil deslocados e agora temos mais de meio milhão”, lamentou Myrta Kaulard.

A segurança alimentar e o abrigo estão entre os principais pontos de destaque no plano de assistência da ONU, com uma verba de 136 milhões de dólares (111 milhões de euros) e 28 milhões de dólares (23 milhões de euros), respetivamente, de um total de 254 milhões de dólares necessários.

Em junho, a ONU lançou um apelo e conseguiu mobilizar 43,5 milhões de dólares (35 milhões de euros), acima dos 35,5 milhões de dólares (30 milhões de euros) que haviam sido solicitados, para o plano de resposta rápida em Cabo Delgado.

“A comunidade internacional respondeu muito bem ao nosso apelo de junho e conseguimos assistir perto de 400 mil pessoas. Mas agora a situação está pior e mesmo neste momento que estamos a falar temos pessoas que estão a fugir das zonas onde vivem, das suas aldeias”, observou Myrta Kaulard, acrescentando que a pressão é maior agora porque, devido à crise provocada pela covid-19, a comunidade internacional tem poucos recursos.

“Estamos muito preocupados porque esta situação pode provocar mais pressão e tensões entre as comunidades acolhedoras e as deslocadas. A situação é mais complicada particularmente para os jovens, que podem ficar mais vulneráveis a discursos e a manipulações dos próprios terroristas”, declarou a coordenadora.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo fundamentalista Estado Islâmico desde 2019.

Artigos relacionados
MundoSociedade

Migrantes pelo mundo chegam aos 281 milhões

Eleitos

Situação da Comunidade Portuguesa em Cabo Delgado e a Cooperação Portuguesa com Moçambique

MundoPolítica

Tratado da ONU sobre Proibição de Armas Nucleares entra em vigor

Brasil

Brasil liderará tema de transição energética em diálogo das Nações Unidas

Assine nossa Newsletter