Deputada teve de deixar o Rio com a filha bebé por causa de ameaças de morte de milicianos - Plataforma Media

Deputada teve de deixar o Rio com a filha bebé por causa de ameaças de morte de milicianos

Alvo de milicianos e grupos de ódio, Talíria Petrone foi forçada a deixar o Rio de Janeiro com a filha recém-nascida

Primeiro, perdeu a amiga e colega de partido, vítima de um assassinato ainda não solucionado. Depois, ela própria alvo de ameaças, precisou deixar às pressas o Rio de Janeiro. Por fim, deu adeus à expectativa de criar a filha recém-nascida no convívio com familiares e amigos.

Ameaçada por milicianos, como revelaram denúncias recebidas pelo Disque Denúncia, e por grupos de ódio na deep web (redes anônimas onde costuma circular conteúdo ilegal), a deputada federal Talíria Petrone (PSOL), 35, tem vivido alguns processos de luto. “É uma transformação do luto em luta, e não é só uma retórica”, diz ela à Folha.

Em 2016, Talíria foi a vereadora mais votada em Niterói (RJ). No mesmo ano, também se elegeu, no Rio de Janeiro, Marielle Franco (PSOL).

Leia mais em Folha de S.Paulo

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Execução de Marielle e Anderson completa 1000 dias e não se sabe quem mandou matá-los e por quê

BrasilPolítica

Desembargadora que ofendeu Marielle é eleita para órgão que vai julgar Flávio Bolsonaro

BrasilSociedade

Google recorre ao Supremo contra obrigação de dar dados ao caso Marielle

BrasilPolítica

Caso Marielle: "É pública a ligação do clã Bolsonaro com as milícias"

Assine nossa Newsletter