São-tomense vence Prémio Príncipe William para a Conservação em África - Plataforma Media

São-tomense vence Prémio Príncipe William para a Conservação em África

Os Prémios Tusk de Conservação foram entregues numa cerimónia virtual, que contou com a presença do Príncipe William. O prémio de realização de vida foi o são-tomense Hipólito Lima, do Programa Tatô, conhecido como Pai das tartarugas.

Os Prémios Tusk, que homenageiam homens e mulheres dedicados à sobrevivência do mundo natural africano, foram criados pelo Príncipe William, em 2013. O Duque de Cambridge relevou os vencedores de 2020 em sessão virtual.

O Prémio Príncipe William para a Conservação em África, patrocinado pela Ninety One foi atribuído a Hipólito Lima, de São Tomé e Príncipe, fundador e supervisor dos rangers do Programa Tatô.

Hipólito Lima protege as tartarugas marinhas e seus ninhos há 26 anos. Ele monitoriza praias de nidificação, treina guardas locais e capacita guardiões das tartarugas marinhas e líderes de conservação nas comunidades locais.

A sua liderança tem sido crucial para pressionar o governo para o estabelecimento de legislação que proporcione proteção às tartarugas marinhas no arquipélago. A nova legislação baniu totalmente a captura, posse e venda de todas as espécies de tartarugas marinhas e seus sub-produtos, bem como perturbação dos habitats de nidificação.

Segundo a Tusk, Hipólito dedicou toda a sua vida a restaurar e preservar o que o seu pai destruiu.

A Tusk anunciou o aumento do valor dos prémios atribuídos. Considerando o impacto da Covid-19, que também afetou o trabalho de conservação em África, a Fundação Nick Maughan que garantiu um apoio extra de 1 milhão libras ao longo de cinco anos.

Este financiamento adicional vai permitir mais do que duplicar a anterior bolsa de conservação dada a todos os vencedores e finalistas

Outros vencedores

O Prémio Tusk para a Conservação em África, patrocinado pela Land Rover, que distingue um indivíduo considerado um líder emergente em conservação e reconhecimento no seu notável sucesso no seu campo escolhido, foi para o Quénia.

John Kamanga, Diretor Executivo da South Rift Association of Land Owners (SORALO), é um dos principais líderes de conservação popular do Quénia que dedicou a sua carreira ao desenvolvimento de uma visão para a coexistência de pastores e animais selvagens.

O prémio Tusk Wildlife Ranger, patrocinado pela Fundação Nick Maughan, dá reconhecimento internacional aos homens e mulheres que trabalham no campo que protegem a vida selvagem em África diariamente. O vencedor foi Amos Gwema do Zimbabué.

Principal Intelligence Officer da Zimbabwe Parks and Wildlife Management Authority; Amos conseguiu, nos últimos 15 anos, condenar o maior número de caçadores furtivos de qualquer oficial da autoridade do parque, todos eles a cumprir pena de prisão.

Falando sobre os vencedores de três categorias, Charlie Mayhew, CEO da Tusk disse: “À medida que o futuro do mundo natural é trazido para um foco ainda mais nítido, é fantástico que os destinatários dos nossos prémios continuar o seu trabalho vital graças a este impulso necessário conceder para financiamento. Tenho o prazer de hoje atribuir três líderes excecionais dos seus campos.”

Os três vencedores receberam cada um um um troféu especialmente elaborado por Patrick Mavros. O apoio adicional para os Tusk Conservation Awards de 2020 foi recebido pelo ISPS Handa, Mantis Group, Fortemus Films e Maia Films, EJF Philanthropies e Shelton Fleming.

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter