"O coronavírus não existe". Em Cabinda poucos acreditam na existência da doença - Plataforma Media

“O coronavírus não existe”. Em Cabinda poucos acreditam na existência da doença

Cidadãos de Cabinda duvidam da existência de casos positivos da covid-19 na região, onde 250 pessoas já foram infectadas e uma morreu vítima da pandemia.

À reportagem do Jornal de Angola, os cidadãos justificam a sua posição com o facto de os casos positivos não serem apresentados publicamente, no sentido de despertar a sociedade sobre os perigos da doença.

Por isso, em determinados bairros, mercados, escolas, instituições bancárias e bares é visível o ajuntamento de pessoas sem máscaras e, muito menos, preocupadas com a lavagem das mãos com água e sabão e a higienização com álcool em gel.

Os casos mais evidentes de incumprimento das medidas de biossegurança são visíveis nos dois principais mercados da cidade de Cabinda, nomeadamente, São Pedro e Cabassango, onde facilmente se observa a falta de distanciamento físico, inexistência de recipientes adaptados com torneiras com água para a higienização das mãos, vendedores sem máscaras ou usando de forma incorrecta.

Na Praia dos Pescadores, na Baixa de Cabinda, é um autêntico “Deus nos acuda”. O local serve de principal centro de venda de peixe e atracagem de embarcações provenientes da vila petrolífera do Soyo, com mercadorias diversas, pessoas e pescado, tornando-o no epicentro de contágio da Covid-19.

Alunos do ensino secundário e estudantes universitários apenas fazem o uso da máscara no recinto escolar. Quando estão na via pública a retiram sob pretexto de que dificulta a respiração.       

Para Maria Sambo, 18 anos, o novo coronavírus não existe e considera duvidosos os números de casos na província de Cabinda. Segundo ela, a Secretaria Provincial da Saúde devia expor publicamente as pessoas infectadas pela Covid-19.

“O novo coronavírus não existe, porque não há provas. As pessoas não estão a ver ou a constatar os doentes infectados com o vírus. Penso que o Ministério da Saúde deve mostrar os doentes infectados, só assim a população estará convicta que o novo coronavírus realmente existe”, defendeu.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
AngolaPolítica

Presidente da UNITA acusa governo de usar a covid-19 para esconder debilidades

AngolaSociedade

Covid-19: Angola regista novo recorde de infeções com 355 casos e mais um óbito

Angola está no “limiar do estado de emergência”

AngolaEconomia

Comércio, restaurantes e mercados angolanos obrigados a reduzir horário

Assine nossa Newsletter