Navegação à vista - Plataforma Media

Navegação à vista

Cerca de 1,2 mil milhões de crianças estão a viver, neste preciso instante, no que tecnicamente é denominado de “pobreza multidimensional”.

E o que nos diz este conceito? De acordo com a Universidade de Oxford, “a pobreza não pode apenas ser contabilizada tendo em conta a ausência de dinheiro. Escassez de alimentos, de educação, de cuidados de saúde e de abrigo são, igualmente, indicadores substanciais de estados de pobreza.”

E é esta pobreza multidimensional que nos deve preocupar. E muito.

Segundo divulgou, em meados de setembro, a organização Save The Children, desde o início da pandemia (já lá vão sete longos meses) o número de crianças que caíram nesta pobreza subiu 15% em todo o mundo.

Não sendo uma pessoa de números, não posso deixar de ficar indiferente a este registo. 15% é uma subida demasiado rápida e que espelha bem o que nos pode esperar com o recrudescer do número de casos em todos os países. E que obriga, de novo, os goveros a tomarem medidas de restrição e confinamento.

François Macron, o presidente de França, anunciou há um par de horas a indcação de um novo confinamento francês. E, logo no arranque da sua comunicação, justificou: ““Nada é mais importante que a vida humana”.

De facto, nada é mais importante que a vida humana. E todas elas importam. Mas em que condições?

O mundo move-se, nestes tormentosos dias, num movimento de “navegação à vista”.

Estaremos preparados para ver – e fazer parte – deste horrível conceito de pobreza multidimensional?

Se agora estão contabilizadas 1,2 mil milhões de crianças, quantas mais serão daqui a outros tantos sete meses?

Demasiadas perguntas para as quais, infelizmente, ninguém tem resposta.

*Editora da edição portuguesa do Plataforma

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
Editorial

A minha tem mais 90 do que a tua

Editorial

Vacina não é (só) covid

Editorial

Longe da vista

Editorial

A vida de Jamila importa

Assine nossa Newsletter