Standard & Poor's decide manter 'rating' de Moçambique no 'lixo' - Plataforma Media

Standard & Poor’s decide manter ‘rating’ de Moçambique no ‘lixo’

A agência de notação financeira Standard & Poor’s (S&P) decidiu manter o ‘rating’ de Moçambique em CCC+, abaixo da recomendação de investimento, com Perspetiva de Evolução Estável, devido aos efeitos económicos da pandemia de covid-19.

“O ‘rating’ de CCC+ para a emissão de dívida em moeda estrangeira reflete a nossa visão de que Moçambique depende de condições favoráveis empresariais, financeiras e económicas para cumprir as suas obrigações financeiras”, escrevem os analistas na nota que acompanha a decisão de ‘rating’, divulgada esta noite.

O nível de CCC+ é o terceiro mais baixo na escala da opinião sobre a qualidade do crédito soberano, sendo considerado ‘lixo’ ou ‘junk’ por estar vários níveis abaixo da patamar da recomendação de investimento.

“Apesar de os rácios de crédito serem fracos, esperamos que Moçambique seja capaz de cumprir as suas obrigações nos próximos 12 meses”, apontam os analisas, ressalvando que “o ‘rating’ é prejudicado pelo baixo PIB per capita do país, governação e instituições frágeis, grandes défices externos e orçamentais, e um elevado peso da dívida”, que vai manter-se acima de 100% do PIB até, pelo menos, 2023.

A Perspetiva de Evolução Estável, isto é, a assunção de que o ‘rating’ não deverá ser alterado nos próximos 12 a 18 meses, “equilibra os riscos associados a elevados défices externo e orçamental face à expectativa de uma recuperação económica no próximo ano, sustentada em grandes investimentos na indústria extrativa”, escrevem ainda os analistas.

As medidas que Moçambique tomou para conter e combater a pandemia de covid-19 enfraqueceram a atividade económica este ano, com a economia a contrair-se 1% na primeira metade do ano, “porque o movimento de bens e pessoas foi limitado, particularmente no segundo trimestre, mas a maioria das restrições foi levantada desde então e a atividade retomou na maioria dos setores”, diz a S&P.

A retoma económica, aliás, permite aos analistas prever que Moçambique escape à recessão este ano, devendo crescer 1% em 2020 e de 5,5% em 2021, sustentado nos grandes investimentos esperados para a extração de gás natural liquefeito, nomeadamente no norte do país.

A previsão da S&P é significativamente melhor que a do Fundo Monetário Internacional (FMI), que nas Perspetivas Económicas para a África subsaariana, divulgadas na quarta-feira, prevê uma quebra no PIB de 0,5% este ano e um crescimento de 2,1 em 2021.

Moçambique tem um total acumulado de 11.748 casos de infeção pelo novo coronavírus, 78% dos quais recuperados, e 82 mortes.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 41,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
EconomiaMoçambique

FMI discute novo programa de financiamento a Moçambique

EconomiaMoçambique

Empresários em greve contra raptos em Moçambique

EconomiaMundo

FMI prevê que todas as economias lusófonas africanas voltam a crescer em 2021

Assine nossa Newsletter