Anvisa nega atraso para importação de matéria-prima para vacina do Butantan - Plataforma Media

Anvisa nega atraso para importação de matéria-prima para vacina do Butantan

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) negou nesta sexta-feira (23) ter atrasado a análise de um pedido de importação excepcional de matéria-prima vinda da China e que será usada pelo Instituto Butantan para produção de vacinas contra a Covid-19.

Em nota, a agência afirma que o processo já havia sido analisado, mas que “foram identificadas discrepâncias”. O órgão não disse quais.

A informação de que a agência estava retardando o processo de análise foi divulgada pelo diretor-geral do instituto, Dimas Covas, em entrevista à coluna Mônica Bergamo, da Folha.

O plano original do Butantan receber em outubro 6 milhões de doses do imunizante Coronavac já prontos e fabricar no Brasil, até dezembro, as outras 40 milhões de doses a partir da matéria-prima que chegaria da China.

Um pedido formal de liberação excepcional da importação de matéria-prima, por meio da empresa chinesa Sinovac, foi feito em 23 de setembro. Covas disse que, na quinta (22), recebeu a informação de que o assunto só será tratado em uma reunião em 11 de novembro. “Uma liberação que ocorre em dois meses deixa de ser excepcional”, afirmou ele.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Secretários da Saúde culpam Bolsonaro por crise das vacinas e defendem ministro

BrasilPolítica

Bolsonaro sabia da compra de vacinas, mas recuou após pressão de apoiantes nas redes sociais

BrasilPolítica

Ministério da Saúde fecha acordo com governo de SP para Coronavac

BrasilSociedade

CoronaVac é a vacina em teste mais segura contra Covid-19, diz presidente do Butantan

Assine nossa Newsletter