Companhia aérea de Hong Kong Cathay Pacific corta cerca de 8.500 postos de trabalho - Plataforma Media

Companhia aérea de Hong Kong Cathay Pacific corta cerca de 8.500 postos de trabalho

A companhia aérea de Hong Kong Cathay Pacific anunciou hoje que vai avançar com uma reestruturação que contempla a eliminação de 8.500 postos de trabalho e fechar a sua subsidiária Cathay Dragon.

“Aproximadamente 8.500 postos de trabalho em todo o Grupo Cathay Pacific (incluindo a Cathay Dragon) serão eliminado, o que representa cerca de 24% do Grupo, que tem cerca de 35 funcionários, pode ler-se no comunicado enviado à bolsa de valores de Hong Kong.

“Destes 8.500 postos de trabalho, cerca de 5.300 funcionários em Hong Kong serão despedidos nas próximas semanas, com aproximadamente 600 funcionários fora de Hong Kong a serem possivelmente afetados”, detalhou a empresa.

Os restantes 2.600 postos de trabalho a serem eliminados não estão atualmente preenchidos, devido à redução de custos nos últimos meses promovida pela companhia aérea, que incluíram o congelamento de contratações e o encerramento de certas bases no exterior, segundo a mesma nota.

O grupo avançou também que a reestruturação vai custar cerca de 2,2 milhões de dólares de Hong Kong (240 milhões de euros) e que o fecho da Cathay Dragon, que realizava voos regionais, tem efeitos a partir de hoje.

A Cathay Pacific, que voa para quase uma centena de destinos e que liderou em 2014, 2015 e 2016 o ‘ranking’ do Jet Airliner Crash Data Evaluation Center como a companhia aérea mais segura do mundo, junta-se à longa lista de empresas que estão a despedir milhares de funcionários devido ao impacto económico causado pela pandemia do novo coronavírus.

Related posts
MacauSociedade

Situação política em Hong Kong leva à procura de cursos de português para emigrar

ChinaPolítica

China aprova nova emenda à lei que proíbe insulto à bandeira nacional

ChinaHong Kong

Hong Kong e Singapura chegam a princípio de acordo para corredor de viagem sem quarentena

ChinaHong Kong

Hong Kong: EUA voltam a pôr líder Carrie Lam na 'lista negra'

Assine nossa Newsletter