Bielorrússia: Putin diz a Macron que tentativas de interferência são inaceitáveis - Plataforma Media

Bielorrússia: Putin diz a Macron que tentativas de interferência são inaceitáveis

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse na quarta-feira ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron, que tentativas de interferir nos assuntos de um país soberano são “inaceitáveis” no quadro das discussões sobre a Bielorrússia, indicou o Kremlin.

A “posição de princípio” da Rússia é de que “todas as tentativas de interferir nos assuntos internos de um Estado soberano e pressões externas sobre autoridades legítimas são inaceitáveis”, afirmou a presidência russa, citada pela AFP.

A conversa telefónica entre Putin e Macron ocorreu após um encontro, em Vílnius, capital da Lituânia, entre o Presidente francês e a líder da oposição bielorrussa, Svetlana Tikhanovskaya.

Em visita à Lituânia, o chefe de Estado francês pediu na terça-feira uma mediação internacional para organizar novas presidenciais na Bielorrússia, controladas pela comunidade internacional, dado que as de agosto são consideradas fraudulentas pela oposição e por países ocidentais.

Centenas de milhares de bielorrussos têm protestado nas ruas, em manifestações reprimidas pelas autoridades, desde as presidenciais que estenderam o mandato de 26 anos de Alexander Lukashenko, atribuindo-lhe 80% dos votos. Svetlana Tikhanovskaya, a sua principal rival, obteve 10%.

Já sobre o conflito do Nagorno-Karabakh, uma região azeri separatista onde desde domingo decorrem combates mortíferos, Putin e Macron apelaram para o fim “completo” dos combates e disseram que estão prontos para intensificar os esforços diplomáticos para ajudar a resolver o conflito, afirmou o Kremlin.

“Vladimir Putin e Emmanuel Mácron exortaram as partes em conflito ao cessar-fogo e, o mais rapidamente possível, a reduzir as tensões e a mostrar o máximo de contenção”, declarou a presidência russa.

Os dois presidentes referiram estar “preparados” para a adoção de um comunicado emitido em nome dos copresidentes do Grupo de Minsk – Rússia, França e Estados Unidos – a pedir o fim imediato das hostilidades, acrescentou o Kremlin.

Desde domingo que as forças do enclave separatista apoiadas pela Arménia, um país de religião cristã ortodoxa, e as do Azerbaijão se confrontam nos combates mais sangrentos desde 2016. Mais de 80 mortos foram já confirmados no ressurgimento do conflito.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
MundoPolítica

Ataque russo a centro comercial deixa 16 mortos na Ucrânia

MundoPolítica

CS da ONU reúne-se de emergência devido aos ataques contra alvos civis na Ucrânia

MundoSociedade

Ocean Viking resgata 90 migrantes no Mediterrâneo este fim de semana

FuturoMundo

Indústria espacial europeia retoma lançamentos após cortar relações com a Rússia

Assine nossa Newsletter