NASA planeia voltar à Lua com custo de 28 mil milhões de dólares americanos - Plataforma Media

NASA planeia voltar à Lua com custo de 28 mil milhões de dólares americanos

A NASA revelou na segunda-feira o último plano para devolver astronautas à Lua em 2024 e estimou que o custo de cumprir esse prazo seja 28 mil milhões de dólares americanos.

O Congresso, que enfrenta eleições em 3 de novembro, terá que assinar o financiamento de um projeto que foi definido pelo presidente Donald Trump como prioridade máxima. Os 28 mil milhões de dólares americanos cobririam o orçamento de 2021-25.

Numa reunião por telefone com jornalistas na segunda-feira sobre a missão Artemis de devolver seres humanos à Lua, o administrador da NASA Jim Bridenstine observou que “riscos políticos” costumam ser a maior ameaça ao trabalho da NASA, especialmente antes de uma eleição tão crucial.

Barack Obama cancelou os planos de uma missão tripulada a Marte, depois do seu antecessor gastou milhares de milhões de dólares no projeto.

Se o Congresso aprovar a primeira parcela de 3,2 mil milhões até ao Natal, “ainda estamos no caminho para pousar na lua em 2024”, disse Bridenstine.

“Para ser claro, estamos a ir para o Pólo Sul”, disse, descartando os locais dos pousos da Apollo no equador da Lua entre 1969 e 1972. “Não há discussão de nada além disso.”

Três projetos diferentes estão em competição para construir a sonda lunar que levará dois astronautas – um deles uma mulher.

O primeiro está a ser desenvolvido pela Blue Origin, fundada pelo CEO da Amazon Jeff Bezos, em parceria com a Lockheed Martin, Northrop Grumman e Draper. Os outros dois projetos são executados pela SpaceX de Elon Musk e pela empresa Dynetics.

O primeiro vôo, Artemis I, previsto para novembro de 2021, será não tripulado: o novo foguete gigante SLS, atualmente em fase de testes, descolará pela primeira vez com a cápsula Orion.

Artemis II, em 2023, levará astronautas ao redor da Lua, mas não vai pousar.

Finalmente, Artemis III será o equivalente à Apollo 11 em 1969, mas a estadia na Lua durará mais – por uma semana – e incluirá duas a cinco “atividades extraveiculares”.

“A ciência que faríamos é realmente muito diferente de tudo o que fizemos antes”, disse Bridenstine. “Temos de lembrar que, durante a era Apollo, pensávamos que a lua estava totalmente seca. Agora sabemos que há muito gelo de água e sabemos que está no Pólo Sul.”

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoSociedade

Helicóptero Ingenuity da NASA faz voo histórico em Marte

Futuro

Nasa adia voo do Ingenuity em Marte para resolver problemas técnicos

FuturoMundo

Primeira tentativa de voar helicóptero em Marte será em abril

PortugalSociedade

Primeiro astronauta europeu a voar na SpaceX dirigido por um português

Assine nossa Newsletter