Ventura diz que Costa se revelou "tal como é" quando chamou cobardes aos médicos - Plataforma Media

Ventura diz que Costa se revelou “tal como é” quando chamou cobardes aos médicos

O presidente do Chega disse que António Costa “não sabe ser primeiro-ministro” e que se revelou “tal como é” quando alegadamente chamou de “cobardes” aos médicos envolvidos no surto de Covid-19 em Reguengos de Monsaraz

“Nós temos um primeiro-ministro que não sabe ser primeiro-ministro. Em que todos os que se lhe opõem responde mal, responde com agressividade e mostra aquilo que é. António Costa perdeu o controlo. Do país e do Governo”, afirmou André Ventura nesta quarta-feira à noite num jantar-comício do partido no Algarve.

Na sua intervenção naquela que foi a primeira ‘rentrée’ política do partido, em Almancil, no concelho de Loulé, André Ventura disse que as declarações em ‘off’ a propósito de um surto de covid-19 num lar em Reguengos de Monsaraz mostraram Costa “tal como ele é”.

“Nós tivemos o primeiro-ministro a revelar-se tal como é: ‘Os cobardes dos médicos’. Mas com aquele ar violento dele, não sei se se lembram do encerramento da campanha legislativa”, disse, aludindo a um incidente com um cidadão em Lisboa, em outubro passado, no último dia da campanha eleitoral para as legislativas.

Relativamente às declarações de António Costa em ‘off’ à margem de uma entrevista ao Expresso, André Ventura disse estar “espantado” com o silêncio da “grande maioria” do PSD, assim como do BE e do PCP e, também, com a reação de Marcelo Rebelo de Sousa.

“Quando vejo o Presidente da República ignorar estas ofensas aos médicos e dizer que o Governo está a fazer tudo o que pode, eu não percebo”, declarou, sugerindo que se fosse ele próprio a fazê-las seria criticado por todos os partidos.

O deputado único do Chega já manifestou intenção de ser candidato às próximas eleições presidenciais.

A primeira ‘rentrée’ política do Chega decorreu num clube onde funciona um restaurante e que é simultaneamente um espaço de diversão noturna, em Almancil, no concelho de Loulé, reunindo 400 pessoas, de acordo com a organização.

Antes do início do jantar comício, junto à vedação do espaço onde decorria o evento, concentrou-se uma dezena de manifestantes envergando camisolas pretas e cartazes de protesto contra o Chega, que seriam pouco depois retirados do local pela GNR.

O Chega foi o primeiro partido a fazer a ‘rentrée’, num ano em que, devido à pandemia de covid-19, a maioria das forças políticas escolheram não organizar os tradicionais eventos com grande número de pessoas.

Esta é a primeira vez que o partido, oficializado em abril do ano passado, assinala a ‘rentrée’ política, dias antes da eleição do novo presidente e da segunda Convenção Nacional do partido, ambas marcadas para setembro.

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Mão dura no ataque à pandemia faz crescer popularidade de Marcelo e Costa

PolíticaPortugal

António Costa rejeita colocar idosos fora do acesso prioritário às vacinas

MoçambiquePolítica

Moçambique pede apadrinhamento de Portugal na compra da vacina

PolíticaPortugal

Estado de emergência endurece. Saiba as novas medidas

Assine nossa Newsletter