Líder dos mercenários em Cabo Delgado traça cenário aterrador -

Líder dos mercenários em Cabo Delgado traça cenário aterrador

Lionel Dyck é o chefe dos mercenários que o governo de Moçambique contratou para fazer face ao conflito armado em Cabo Delgado. O zimbabweano é um velho conhecido de Moçambique, pois há 35 anos liderou um grupo paraquedista que tomou o então quartel-general da Renamo, Casa Banana, na Gorongosa. Agora foi a vez do governo de Filipe Nyusi contratar a sua empresa Dyck Advisory Group (DAG) para combater os terroristas. O Duque, como é conhecido, contudo, diz-se preocupado com a situação.

“As Forças de Defesa de Moçambique não estão preparadas e têm poucos recursos e temos que avançar rapidamente. Algumas das atrocidades cometidas são diferentes de tudo que eu já vi antes e já vi muitas guerras, em muitos lugares diferentes. O massacre que se seguiu ao ataque ao Posto Policial de Quissanga envolveu a mutilação de corpos, o corte de membros e acreditamos que os agressores comeram algumas partes do corpo. Apesar dessa barbárie, esse inimigo está organizado, motivado e bem equipado. Se não chegarmos a esse ponto, ele espalhar-se-á rapidamente para o sul e será uma catástrofe para toda a região”, considerou o empresário em entrevista à Africa Unauthorized.

Lionel Dyck voltou a Moçambique há cerca de sete anos. A sua empresa foi, na altura, contratada para fazer face à caça furtiva no sul de Moçambique. A sua missão teve muito sucesso e em setembro do ano passado, com a autorização de Filipe Nyusi, foi contactado pelo chefe de polícia de Moçambique para lidar com a insurreição crescente em Cabo Delgado e nesta entrevista revelou o que encontrou.

“Descobrimos que é uma mistura desagradável de redes criminosas antigas e bem organizadas envolvidas em marfim, rubis e esmeraldas. Contudo, o grande negócio de bilhões de dólares é a heroína sendo transportada pela área e distribuída a norte e sul. Isso agora assumiu uma face islâmica e é uma combinação altamente eficaz com forte apoio externo”, considerou o mercenário.

Ataques aéreos

A estratégia, neste momento, da sua empresa passa por missões aéreas. No entanto, Lionel Dyck espera ter a breve trecho capacidade para avançar no terreno.

“No momento, a nossa capacidade de ataque está quase totalmente no ar. Atacamos os campos inimigos pelo ar e estamos a usar aeronaves para interditar os seus suprimentos, que são transportados por terra e no mar. Acredito que fomos bem-sucedidos em retardar o seu avanço, mas esta guerra está longe de estar vencida. Temos que iniciar um programa de seleção e treinos imediatamente, para que possamos levar homens bons para o campo e levar a luta de volta ao inimigo tanto pelo ar como no solo. Também pretendemos aproximar a nossa base de operações de Mocimboa da Praia, que foi atacada recentemente pelos rebeldes”, afirmou, negando qualquer tipo de ajuda por parte de governos estrangeiros, como foi o caso do britânico.

“Simplesmente não confio neles; eles nunca contam a história toda e sempre há outra agenda em jogo com eles. Sinto que devemos seguir sozinhos nesta fase com o pouco que temos e mudar isso. Vai ser difícil, mas temos que vencer isso.”.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Related posts
Moçambique

Ataque no norte de Moçambique faz dois mortos e destrói casas

MoçambiqueMundo

Serviços de saúde em Moçambique recusam grávidas em fuga

LusofoniaMoçambique

Galp aponta paz como condição para investimentos em Moçambique

MoçambiquePolítica

Milicianos matam dois supostos insurgentes

Assine nossa Newsletter