JAM FERNANDES QUER CALÇAR A CHINA - Plataforma Media

JAM FERNANDES QUER CALÇAR A CHINA

 

A JAM Fernandes é a primeira empresa de calçado português a participar na Feira Internacional de Macau, onde está a avaliar a possibilidade de começar a exportar os seus sapatos para a China.

“Olhamos para o oriente como um mercado com um potencial enorme de crescimento e daí termos arriscado vir a esta feira”, disse ao Plataforma Macau o diretor comercial, Emanuel Rocha.

Sediada em Guimarães, considerada a “capital” do calçado português, a JAM, com 110 funcionários, tem uma fábrica onde há 23 anos produz coleções para homem e mulher, vendidas sobretudo para o mercado externo.

“95% é exportação, os principais mercados são Escandinávia e Europa, sendo que a Alemanha, Holanda e Inglaterra são os mais fortes neste momento, mas trabalhamos também para os Estados Unidos, Japão, Austrália e Canadá”, apontou Emanuel Rocha.

Ao constatar que a crise em Portugal afetou o setor do calçado, o responsável indicou que a internacionalização e a aposta no design foram estratégias para contrariar a queda das vendas. A JAM lançou então, no ano passado, uma marca própria, a FriendlyFire, continuando, porém, a trabalhar para outras.

Depois da MIF, a empresa vai participar em missões empresariais no interior da China. Ao constatar que este mercado está a gerar “algum interesse em Portugal entre empresas de calçado pelo seu poder económico”, Emanuel Rocha sublinha que o objetivo “não é concorrer com os produtos chineses”, mas afirmar a marca Portugal na segunda economia mundial pela qualidade que oferece.

“Portugal está referenciado como uma marca de qualidade ao nível do calçado e a procura cresce. Também existem cadeias de lojas na China e o produto bom vêm buscá-lo principalmente à Europa. Temos feito uma aposta grande nos últimos anos no design, na qualidade e tecnologia e penso que passará por aí”, concluiu.

No ano passado, a JAM obteve um volume de negócios de cerca de 5,6 milhões de euros e este ano espera “subir um pouco”.

 

Patrícia Neves

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter