CONTAGEM PARALELA CONFIRMA VITÓRIA DO CANDIDATO DA FRELIMO - Plataforma Media

CONTAGEM PARALELA CONFIRMA VITÓRIA DO CANDIDATO DA FRELIMO

 

Ainda sem resultados definitivos, a contagem dos votos prossegue em Moçambique e confirma, oficiosamente, a vitória de Filipe Nyusi e do seu partido, a Frelimo.

 

Enquanto o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) moçambicano manteve o compromisso de respeitar o prazo de 15 dias para a divulgação dos resultados finais das eleições gerais, contagens paralelas da votação de 15 de outubro confirmam as vitórias de Filie Nyusi para a Presidêncoa, e do seu partido, a Frelimo, para o parlamento.

A última estimativa do Observatório Eleitoral, uma organização não governamental moçambicana, aponta para os seguintes quadros de resultados:

Afluência: 51%

PRESIDENTE

Nyusi 58%

Dhlakama 35%

Simango 8%

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Frelimo 57%

Renamo 32%

MDM 10%

Outros 2%

DEPUTADOS

Frelimo 143

(191, na última legislatura)

Renamo 82 (51)

MDM 25 (oito)

Estas projeções foram baseadas em contagens efetuadas em 84% dos postos de votação e levam em conta que, como habitualmente, a Frelimo elege os dois deputados do círculo do exterior.

 

SUCESSO DE DHLAKAMA

Os candidatos presidenciais da Frelimo, Filipe Nyusi, e da Renamo, Afonso Dhlakama, obtiveram melhores votações do que os seus partidos na corrida parlamentar. Dhlakama superou a Renamo em 3% dos votos e Nyusi alcançou mais 1% do que a Frelimo.

Segundo o Boletim do processo Político de Moçambique, na província de Sofala, onde Dhlakma obteve uma maioria dos votos, um sétimo dos seus eleitores escolheram o Movimento Democrático de Moçambique (MDM, uma dissidência da Renamo) para o parlamento.

E, de acordo com a mesma fonte, um sétimo dos eleitores que, em Maputo, votaram Nyusi, dvidiram depois o seu pela Renamo e MDM nas eleições para o parlamento, que se realizaram em simultâneo.

Segundo as projeções, Dhlakama obterá entre 40% e 50% dos votos em cinco províncias – Nampula, Zambézia, Manica, Tete e Niassa.

 

DIVULGAÇÃO “DENTRO DO PRAZO”

O STAE moçambicano manteve o compromisso de respeitar o prazo de 15 dias para a divulgação dos resultados finais das eleições gerais, apesar de problemas relacionados com o apuramento dos votos.

“É prematuro avançar com a ideia de que os prazos para a divulgação dos resultados poderão estar comprometidos. Estamos a trabalhar com o horizonte legal de 15 dias para o anúncio dos resultados finais”, disse o porta-voz do STAE, Lucas José.

A mesma fonte adiantou que os órgãos eleitorais de nível distrital onde surgiram problemas na contagem dos votos estão a trabalhar para ultrapassar a situação.

O apuramento dos resultados ao nível distrital conheceu durante o fim de semana atrasos e problemas em vários pontos do país, incluindo contagens finalizadas mas não afixadas em vários distritos das províncias de Sofala e da Zambézia.

Segundo o boletim, que conta com uma rede de 150 jornalistas em todo o país, o apuramento esteve interrompido no fim de semana no distrito de Mocuba, na Zambézia, devido ao desaparecimento de sete editais para a Assembleia Provincial e de 16 para as legislativas, e na cidade de Tete, capital da província com o mesmo nome, aconteceu o oposto, ao surgirem 234 editais quando apenas existiam 178 mesas de votação.

Ao apuramento distrital, segue-se o escrutínio ao nível de cada uma das onze províncias do país, o que pode demorar mais cinco dias, antes do anúncio dos resultados oficiais preliminares pelas entidades eleitorais centrais, em Maputo, que ocorre até 15 dias após a votação, ou seja, até 30 de outubro.

Mais de dez milhões de moçambicanos foram chamados a escolher um novo Presidente da República, 250 deputados da Assembleia da República e 811 membros das assembleias provinciais.

No escrutínio concorreram três candidatos presidenciais e 30 coligações e partidos políticos.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter