MUNDIAL DE FUTEBOL VALORIZA LÍNGUA PORTUGUESA - Plataforma Media

MUNDIAL DE FUTEBOL VALORIZA LÍNGUA PORTUGUESA

 

O Mundial de Futebol estimulou muitos latino-americanos a aprenderem português para visitarem o Brasil, segundo professores de países vizinhos ouvidos pela BBC Brasil. Na Colômbia, na Argentina, no Chile ou no Uruguai multiplicaram-se cursos online e programas intensivos com termos específicos ligados ao futebol.

 

Vários cursos foram também vocacionados para dar orientações básicas aos turistas, tais como pedir informação sobre os hotéis ou evitar os chamados ‘falsos amigos’ – termos que parecem ter o mesmo significado em espanhol e português, mas que significam coisas diferentes. A professora argentina María Marta Santa Maria, que morou no Rio de Janeiro e ensina português na Argentina, criou um curso chamado Portugués para el Mundial, com um capítulo para cada cidade-sede do Mundial. Numa das lições encenou uma situação em que argentinos estavam em Fortaleza e precisam trocar o pneu de um carro alugado. “Um brasileiro pergunta se eles precisam de uma borracharia e eles respondem que não estão borrachos (bêbados). É um típico exemplo dos ‘falsos amigos’”, diz María.

Os ‘falsos amigos’ fazem, por exemplo, com que um brasileiro chegue em Buenos Aires pedindo uma taza (xícara) de vinho. Outro hábito frequente entre viajantes brasileiros nos países vizinhos é o de pedirem para pagar em cartón de crédito, quando o correto é tarjeta de crédito. Alguns comerciantes argentinos e chilenos, habituados aos clientes brasileiros, perguntam a brincar se querem pagar com cartón – palavra que em espanhol significa papelão.

“Os alunos argentinos divertem-se muito com os anúncios publicitários que exploram a rivalidade entre brasileiros e argentinos. A sensação que tenho é que os brasileiros consideram muito mais os argentinos como rivais do que vice-versa’, diz a gaúcha Gabriela Holtz Falcão, que mora em Buenos Aires há 18 anos e trabalha como assessora no curso de idiomas Verde e Amarelo, na capital argentina.

 

MARACANAZO

 

Em Montevidéu, o professor gaúcho Rafael Lopez diz que os uruguaios “adoram falar sobre o Maracanazo’’ – referência à vitória do Uruguai contra o Brasil na Mundial de 1950, em pleno estádio do Maracanã. Um anúncio publicitário recente mostra um fantasma vestido de azul celeste – a cor da camisa uruguaia – a assombrar a seleção brasileira. O assunto é tão forte para os uruguaios que a estreia de um documentário sobre o assunto, Maracaná, la película, em março deste ano, reuniu cerca de 10 mil espectadores no Centenário, o maior estádio do país.

Lopez, que mora há nove anos na capital uruguaia e trabalha no Instituto de Cultura Uruguai-Brasil, conta que o objetivo do curso Prepárate para el Mundial é o de “facilitar” a vida de quem vai assistir à competição. Em 30 horas de aulas ensina-se comunicação básica para utilizar no aeroporto e na estrada – muitos viajam de carro – além de palavras relacionadas com o futebol. “Mostramos reportagens da televisão brasileira sobre a Copa e explicamos as diferenças no idioma. Por exemplo, exquisito é para eles gostoso, mas para nós esquisito é algo de estranho. Nos estádios, o que para nós é arquibancada para eles é tribuna. Gol é mesmo Gol, mas trave é para eles arco. O que eles chamam de arquero é para nós goleiro”.

No curso da Verde e Amarelo também são ensinadas palavras específicas sobre o futebol. “Ensinamos palavras por exemplo vinculadas a escanteio e outras regras do futebol”, explca Falcão. O mesmo ocorre no curso “Sem Fronteira”, de Santiago, como conta o diretor Hugo Haye, cujas aulas incluem perguntas como “Onde fica o estádio?”, “Quanto tempo demora do hotel até o estádio?”, ou dicas sobre a hora de gritar gol. “Chi chi chi, le le le é como grita a torcida organizada chilena, mas ensinamos que no Brasil é Gooool!”, diz uma professora do curso.

Em Barranquilla, na Colômbia, a rádio Bluradio noticiou recentemente o lançamento de um curso de português especialmente para turistas da Copa. Os apresentadores do programa admitiram que sabem poucas palavras de português e brincaram com a pronúncia brasileira, ao dizer que a Copa é de futibol.

BBC 巴西

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter