Início China Diplomatas da China e Rússia abordaram conflito na Ucrânia em Moscovo

Diplomatas da China e Rússia abordaram conflito na Ucrânia em Moscovo

Diplomatas de alto nível da China e da Rússia reuniram-se segunda-feira em Moscovo para discutir a guerra na Ucrânia, anunciou o ministério dos Negócios Estrangeiros russo, numa altura em que o conflito entra no terceiro ano.

Sun Weidong, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da China, foi recebido pelo ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, na capital russa. Os dois “discutiram uma série de temas prementes, incluindo a crise ucraniana e a situação na península coreana”, de acordo com o comunicado.

Os dois países concordaram também em melhorar a coordenação nas principais organizações internacionais, incluindo no bloco de economias emergentes BRICS. A Rússia assumiu a presidência do bloco no início deste ano e o Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que o seu país vai realizar uma cimeira de líderes em Kazan, em outubro.

“Foi realizada uma discussão confidencial sobre a garantia de segurança no espaço euro-asiático, bem como na região da Ásia-Pacífico, dadas as tentativas ativas do Ocidente de criar pequenos blocos político-militares na região”, referiu o comunicado, utilizando o termo que normalmente designa as ex-repúblicas soviéticas.

A China recusou condenar a Rússia pela invasão da Ucrânia e criticou a imposição de sanções contra Moscovo. O país asiático tem prestado importante apoio político, diplomático e económico ao país vizinho. O comércio bilateral registou, em 2023, um crescimento homólogo de 26,3 por cento, para 240 mil milhões de dólares.

Em dezembro passado, o Presidente chinês, Xi Jinping, voltou a frisar que manter relações robustas com a Rússia é uma “escolha estratégica” da China, durante uma reunião com o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishoustin, em Pequim. Só no ano passado, Putin e Xi Jinping encontraram-se duas vezes.

Espera-se que o líder russo visite a China este ano, disse o embaixador da China na Rússia, Zhang Hanhui, numa entrevista no mês passado. Em janeiro, Ma Zhaoxu, vice-ministro executivo dos Negócios Estrangeiros da China, também manteve conversações com Lavrov na Rússia e copresidiu as consultas entre os dois ministérios.

Perante o crescente isolamento, a Rússia tem também vindo a intensificar a sua relação com a Coreia do Norte, que aumentou significativamente os seus testes de armamento nos últimos meses, apesar de anos de sanções económicas e militares por parte das Nações Unidas.

Em janeiro, a Casa Branca afirmou que tinha provas de que a Coreia do Norte tinha fornecido mísseis balísticos à Rússia e que este país pretendia receber equipamento militar em troca, uma afirmação que Pyongyang e Moscovo negaram.

Para forçar Putin a pôr fim à guerra, a União Europeia anunciou na semana passada uma nova ronda de sanções, que abrangeu o ministro da Defesa da Coreia do Norte e, pela primeira vez, proibiu as exportações para três empresas da China, acusadas de fornecerem tecnologia militar sensível à Rússia.

Plataforma com Lusa

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!