Guterres afirma que Cabo Verde é "exemplo admirável de boa governação" - Plataforma Media

Guterres afirma que Cabo Verde é “exemplo admirável de boa governação”

O secretário-geral das Nações Unidas disse que Cabo Verde é um “exemplo admirável de boa governação” e de desenvolvimento sustentável, mas reconheceu que é vítima da insularidade e de uma ordem global injusta.

“O objetivo fundamental, para mim, é prestar homenagem a Cabo Verde, um país que é um exemplo admirável de boa governação, de esforço para um desenvolvimento sustentável, e Cabo Verde é vítima de ser um estado insular e de uma ordem internacional profundamente injusta no plano financeiro e no plano do comércio”, disse António Guterres no final de um encontro com o Presidente da República de Cabo Verde, José Maria Neves.

Leia também: Preços em Cabo Verde aumentaram 7,6% em 2022

Nas declarações aos jornalistas, feitas apenas pelo secretário-geral da ONU, Guterres disse querer “exprimir a total solidariedade da ONU para com Cabo Verde” e fez votos “que o esforço que o país tem desenvolvido na proteção dos oceanos, como grande estado marítimo, tenha êxito e que seja profundamente recompensado pela comunidade internacional”.

O antigo primeiro-ministro português falava no final do encontro com o chefe de Estado local, à margem da Cimeira dos Oceanos (Ocean Race Summit), na primeira passagem por Cabo Verde da Ocean Race, a maior e mais antiga regata do mundo e reúne esta manhã no Mindelo, ilha de São Vicente, políticos, governantes, especialistas e outras personalidades para abordar o futuro dos oceanos.

Na ocasião, Guterres aproveitou para assinalar o centenário de Amílcar Cabral, dizendo: “para a ONU, Amílcar Cabral é uma referência fundamental, e como português, tenho uma dívida de gratidão que não posso esquecer em relação a Amílcar Cabral e ao seu contributo, não só para para a democratização do meu próprio país e a descolonização”.

Leia também: Importações aumentam em Cabo Verde em novembro e Portugal é principal fornecedor

Amílcar Cabral é considerado um dos ícones da luta anticolonial em África, tendo imposto, enquanto militar, muitas dificuldades a Portugal durante a guerra colonial, acabando por ser assassinado a 20 de janeiro de 1973, em Conacri, aos 49 anos.

*Com Lusa

Related posts
AngolaPolítica

Angola e Estados Unidos aprofundam novas áreas de cooperação

MundoPolítica

Argentina quer restabelecer relações plenas com Venezuela

AngolaLusofonia

Chefes de Estado africanos pediram paz durante Bienal de Luanda

AngolaLusofonia

Marcelo considerou "importante" visita a Angola

Assine nossa Newsletter