Lula critica segurança em Brasília, mas recusa golpe - Plataforma Media

Lula critica segurança em Brasília, mas recusa golpe

O Presidente do Brasil criticou hoje a atuação dos agentes de segurança no domingo, quando ‘bolsonaristas’ invadiram instituições públicas em Brasília, tentando um golpe que Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que não acontecerá.

“Eles [apoiantes do ex–presidente Jair Bolsonaro] querem é golpe e golpe não vai ter”, disse Lula da Silva, durante uma reunião com governadores e representantes dos 27 estados do país, juízes, ministros e políticos.

“Eles têm que aprender que a democracia é a coisa mais complicada para a gente fazer, porque exige a gente suportar os outros, exige conviver com quem a gente não gosta, com quem a gente não se dá bem, mas é o único regime que permite que todos têm a chance de disputar e quem ganhar tem o direito de governar”, acrescentou.

Num encontro que reuniu governadores, juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) incluindo a presidente do tribunal, Rosa Weber, ministros, o Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, o primeiro vice-presidente do Senado, Veneziano Vital do Rego e o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, o chefe de Estado brasileiro também criticou a atuação dos agentes de segurança que escoltaram os ‘bolsonaristas’ até a Praça dos Três Poderes, antes deles invadirem instituições públicas.

“Havia uma conivência explícita da polícia apoiando os manifestantes. Mesmo aqui no Palácio [do Planalto], soldado do Exército brasileiro conversando com as pessoas como se fossem aliados”, disparou Lula da Silva.

O Presidente brasileiro reafirmou que pelo menos 1.500 pessoas foram detidas após os atos violentos em Brasília e disse que o Governo irá esforçar-se para investigar todos os envolvidos em atos de vandalismo.

Leia ainda: Polícia prende 1500 apoiantes de Bolsonaro acusados de golpe de estado e de mais 14 crimes

Lula garantiu ainda que serão investigados os financiadores tanto das caravanas de autocarros que os levaram a Brasília como dos acampamentos montados na frente de quartéis em todo o país, que foram desmontados por ordem da Justiça nesta segunda-feira depois de mais de dois meses de mobilização contra o resultado eleitoral.

“Vamos descobrir quem financiou e pagou. Sou especialista em acampamentos e greves e é impossível ficar dois meses sem ter financiamento para garantir o pão de cada dia. Não vamos ser autoritários, mas vamos investigar”, disse.

“Foi muito difícil conquistarmos a democracia nesse país. Precisamos de aprender a conviver democraticamente na diversidade”, acrescentou Lula da Silva.

O governante defendeu uma união de políticos de esquerda, centro, direita e instituições republicanas para preservar a democracia.

“Não vamos permitir que a democracia escape das nossas mãos, porque é a única chance de a gente garantir que esse povo humilde consiga comer três vezes ao dia, ou ter direito de trabalhar”, concluiu.

Depois do encontro, todos os participantes saíram juntos do Palácio do Planalto e caminharam até a sede do STF, num gesto simbólico de apoio ao poder judiciário que foi muito atacado por Bolsonaro durante os últimos quatro anos e danificado no domingo por apoiantes do antigo presidente.

‘Bolsonaristas’ invadiram e vandalizaram no domingo as sedes do Supremo Tribunal Federal, do Congresso e do Palácio do Planalto, em Brasília, obrigando à intervenção policial para repor a ordem e suscitando a condenação da comunidade internacional.

A Polícia Militar conseguiu recuperar o controlo das sedes dos três poderes, numa operação de que resultaram cerca de 1.500 detidos.

A invasão começou depois de militantes da extrema-direita brasileira apoiantes do anterior presidente, derrotado por Lula da Silva nas eleições de outubro passado, terem convocado um protesto para a Esplanada dos Ministérios.

Entretanto, o juiz do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes afastou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, por 90 dias, considerando que tanto o governador como o ex-secretário de Segurança e antigo ministro da Justiça de Bolsonaro Anderson Torres terão atuado com negligência e omissão.

*Com Lusa

Related posts
BrasilEconomia

Lula avalia elevar isenção de imposto de renda a dois mínimos em 2023

BrasilPolítica

Exército teve aval de Lula para vetar polícia em acampamento na noite de ataques golpistas

BrasilPolítica

Ratinho diz torcer por Lula no governo após apoiar Bolsonaro

BrasilPolítica

Lula denuncia genocídio contra povo Yanomami

Assine nossa Newsletter