Universidade de Macau aposta na internacionalização - Plataforma Media

Universidade de Macau aposta na internacionalização

Firmemente enraizada em Macau com mais de 40 anos de impacto, a Universidade de Macau (UM) está alinhada com o sistema de educação internacional e desempenha um papel facilitador no desenvolvimento da plataforma de Macau, que liga a China aos países lusófonos e ao mundo ocidental. Com base nas suas vantagens geográficas e recursos abundantes, pretende agora expandir a sua influência global com competência de investigação e convidar instituições internacionais e estudantes com visões globais a contribuir para a humanidade

Universidade de Macau

A UM figura entre as 201-250 melhores universidades do mundo, de acordo com o Times Higher Education. Inaugurada em 1981, tem como um dos seus grandes objetivos a internacionalização. Por isso o inglês é a principal língua veicular e 80 por cento dos docentes foram recrutados fora de Macau, criando um ambiente propositadamente multicultural.

“Para promover um maior grau de internacionalização nas suas equipas de ensino e investigação, a UM recrutou por todo o mundo”, acrescenta Rui Martins, vice-reitor para os Assuntos Globais. Atualmente, 80 por cento dos membros do corpo docente vêm do estrangeiro e a maioria dos cursos são ministrados em inglês, atraindo estudantes de mais de 50 países e regiões. A UM está a expandir proactivamente a sua rede global e tem acordos de parceria com 320 instituições de ensino superior em mais de 30 países e regiões, proporcionando aos estudantes a escolha de participar em intercâmbios e estudos em 150 instituições em todo o mundo.

Aliança Lusófona

Universidade de Macau
Rui Martins, vice-rector para os Assuntos Globais da Universidade de Macau.

Uma das parcerias de maior relevo são as alianças bibliotecárias formadas quando a Universidade fez 40 anos, que reúne 20 universidades da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (ABAMAPLP) e 20 universidades chinesas com departamentos de português (ABAMACHINA). No total, são 40 universidades que comunicam e disponibilizam materiais através de um portal criado pela UM.

Leia também: Universidade de Macau: João Veloso assume direção do Departamento de Português

“Creio que este relacionamento entre a China e os PLP, através de Macau, se vai intensificar no futuro. Lançámos também uma aliança para a investigação oceânica entre estes países no início de setembro, que deverá ter um simpósio internacional no último trimestre de 2023, no âmbito da atuação do nosso Centro dos Oceanos Regionais”, diz Rui Martins.

Grande Baía, uma terra de oportunidades

A UM tirou partido de abundantes recursos na Área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau (GBA) para projetos de cooperação substanciais no cultivo de talentos e inovação na investigação. Como porta de entrada para a GBA, Macau desfruta de oportunidades nascentes dentro desse contexto geográfico e económico. O desenvolvimento da indústria académica e de investigação da UM tem-se centrado em torno da GBA e Hengqin, como parte do processo de integração no crescimento da China.

A Área da Grande Baía é constituída por nove cidades da província chinesa de Guangdong e duas regiões administrativas especiais (Macau e Hong Kong).

“Mesmo antes deste plano ter sido anunciado, já tínhamos criado o Instituto de Ciência e Tecnologia Zhuhai-UM (ZUMRI), no InnoValley Hengqin”, salienta Rui Martins. “Esse instituto permite-nos candidatar a projetos apoiados por instituições chinesas, tais como a National Natural Science Foundation”. O Vice-Reitor da UM também articula que foi na GBA que a universidade construiu a sua primeira empresa ‘spin-off’, a DigiFluidic, e estabeleceu filiais dos seus principais laboratórios de referência do Estado em Hengqin.

Leia também: Inaugurados laboratórios de análise de amostras espaciais em universidade de Macau

“Isto permite-nos aplicar recursos provinciais e municipais de investigação na China e temos um volume de projetos de cerca de 15 milhões de renminbi por ano que financia vários projetos de investigação em Hengqin, Zhuhai, e nas áreas de Shenzhen, onde estão sediadas as nossas empresas ‘spin-off'”, acrescenta. “A ideia é levar a cabo investigação inovadora de alto nível e expandir a nossa operação para toda a GBA”.

Tecnologias de ponta

A UM capitalizou em várias plataformas de investigação de grande escala para promover a investigação e desenvolver tecnologias de ponta na medicina tradicional chinesa, em eletrónica, na Internet das coisas para cidades inteligentes, materiais avançados e ciências da saúde. A universidade estabeleceu três laboratórios de referência de Estado, sendo um deles o de Circuitos Integrados em Muito Larga Escala Analógicos e Mistos (SKL-AMSV), fundado e dirigido por Rui Martins, pioneiro no desenvolvimento de chips microelectrónicos em Macau. Martins chegou de Portugal há 30 anos e prosseguiu com forte determinação para fazer da UM uma instituição de renome internacional com resultados notáveis na investigação de chips.

Universidade de Macau
Laboratório da Universidade de Macau.

“Há apenas algumas semanas, foram aceites 15 comunicações e chips da UM no ISSCC, a conferência de eletrónica mais importante do mundo, com um rigoroso processo de selecção de artigos. Posso revelar que a UM (através do nosso SKL-AMSV) é líder mundial, com o maior número de artigos a serem apresentados na 70a edição da conferência que terá lugar em fevereiro em São Francisco, EUA”.

Leia também: Universidade de Macau desenvolve autocarro sem condutor em projecto pioneiro

Atualmente, a UM acelera a transferência tecnológica e reforça a investigação e desenvolvimento técnico com universidades e institutos de investigação na GBA. Entretanto, a UM reuniu recursos globais para a inovação científica, a fim de desenvolver uma plataforma de colaboração de alto nível.

Equipa de académicos de alto calibre

A UM redobrou os seus esforços na procura de professores de alto calibre para construir uma equipa docente com influência académica internacional. Só em 2022, trouxe 57 académicos de universidades de renome mundial, apesar dos desafios impostos pela pandemia global.

57 académicos de universidades de renome mundial foram contratados pela Universidade de Macau e marcaram presença na receção e orientação Académica de 2022/2023.

“Promovemos continuamente condições de trabalho atrativas para os membros das faculdades explorarem as fronteiras dos seus respetivos campos”, diz Martins. “Muitas vezes encorajamos as faculdades a iniciar investigação de ponta, especialmente em áreas interdisciplinares, e a contribuir com os seus resultados de investigação para as nossas comunidades”. De acordo com o Essential Sciences Indicators (ESI), a UM está entre as melhores em dez disciplinas, incluindo engenharia, informática, química, ciência dos materiais, farmacologia e toxicologia, medicina interna, psiquiatria e psicologia, biologia e bioquímica, ciências sociais gerais, e ciências agrícolas.

UM apoia a criação de talentos  

Existe uma vasta gama de esquemas de apoio aos estudantes locais e internacionais para atingirem todo o seu potencial na UM. “Construímos plataformas de qualidade para a aprendizagem e prática e desenvolvemos um sistema de formação de talentos de alto nível”, diz Martins. “A UM promoveu cidadãos inovadores com perspetivas globais e de competitividade internacional”.

Universidade de Macau
Leia também: Departamento de português da Universidade de Macau com maior procura

A universidade recebeu acreditações de vários organismos profissionais internacionais para certos programas nos campos da ciência e tecnologia, e gestão empresarial. Os programas de diplomas duplos da UM com universidades conceituadas em todo o mundo oferecem aos estudantes a oportunidade de experimentar diferentes culturas, bem como de prosseguir dois diplomas. Além disso, a UM oferece bolsas de estudo, tanto a estudantes internacionais como dos Países de Língua Portuguesa.

“Continuaremos a expandir a cooperação internacional e a atrair académicos de topo e estudantes internacionais de todo o mundo. Estamos confiantes de que a estratégia global levará o desenvolvimento da UM a um novo patamar de excelência”, conclui Martins.   

Saiba mais sobre a Universidade de Macau

Este artigo está disponível em: English

Related posts
CulturaMacau

Universidade de Macau: João Veloso assume direção do Departamento de Português

EconomiaMacau

Mudanças no cartão de consumo de Macau

EconomiaMacau

UM prevê crescimento económico em Macau de 3,6 a 37,9 por cento

MacauSociedade

Departamento de português da Universidade de Macau com maior procura

Assine nossa Newsletter