Insurgência é uma das ameaças "mais nebulosas" de África - Plataforma Media

Insurgência é uma das ameaças “mais nebulosas” de África

Um novo estudo do Instituto de Estudos de Segurança (ISS Africa) e do Instituto de Formação Judiciária de Moçambique alerta que a insurgência armada no norte de Moçambique é “uma das ameaças menos compreendidas e mais nebulosas de África”.

“Pouco se sabe sobre a identidade, objetivos e ideologia do grupo” que há cinco anos ataca o norte de Moçambique, cujos militantes “não têm uma estratégia de comunicação clara” e isso “torna a resolução da crise ainda mais difícil”, refere o estudo.

As dúvidas sobre o está por detrás da violência levou os autores a procurar perceber junto da população “as causas profundas da crise” – atuar na raiz, pode ser uma solução, justificam.

Assim, dirigiram um inquérito que abrangeu 309 pessoas e 28 “informadores bem colocados”, aos quais foi apresentado um leque de respostas pré-definido para cada resposta.

Tal como sugerido noutros trabalhos, a descoberta de recursos naturais valiosos surge resposta mais escolhida acerca das causas do conflito.

“Um total de 45% dos entrevistados disseram que a principal causa da insurgência foi a descoberta de rubis e gás natural”, outros apontaram a disponibilidade de armas ilícitas (13%), marginalização econômica (6%), ganância da elite (5%) e má governação (4%).

Segundo a opinião do ISS, as respostas sustentam a ideia de que o grupo militante Ahlu-Sunnah wal Jama’a (ASWJ), apoiado pelo Estado Islâmico em Moçambique, “foram facilitados pela chamada maldição dos recursos naturais: elevaram-se as expetativas da população, mas aumentaram as desigualdades”.

“Alguns queixam-se de terem perdido terras e meios de subsistência para as infraestruturas de gás construídas em terra”, duvidando que os projetos “reduzam a pobreza e melhorem os serviços públicos”.

Leia ainda: Organizações internacionais alertam para risco de “esquecimento” da crise humanitária em Cabo Delgado

Assim, “o que inicialmente era um pequeno grupo radical cresceu para se tornar uma grande ameaça que afastou grandes multinacionais como a TotalEnergies”, descreve o sumário.

Na pesquisa, apenas 8% disse acreditar que os insurgentes financiam as suas atividades com crime organizado.

“Uma proporção muito maior (38%) mencionou fontes estrangeiras e 13% disseram que o grupo utiliza recursos próprios”, resultado de pilhagens.

A etnia foi vista por apenas 2% dos entrevistados como motor da insurgência.

O papel de uma ideologia extremista e o recrutamento e radicalização da ASWJ “não devem ser negligenciados”, alerta o estudo.

Cerca de 60% dos inquiridos “disseram que a religião desempenha algum papel na violência, embora muitos acreditem que a religião muçulmana está a ser instrumentalizada”.

“O estudo constatou que a radicalização ocorre predominantemente nas mesquitas e, em menor grau, nos mercados”, contrariamente à tendência global de radicalização “cada vez mais feita online e por meio de outras redes ilícitas”.

O estudo conclui que “há necessidade de diálogo e reconciliação entre muçulmanos e cristãos em Cabo Delgado”, mas “também entre muçulmanos” – e ações governamentais necessárias “incluem a parceria com organizações locais para tratar de queixas legítimas”.

O ISS Africa sugere ainda a criação de “uma comissão de inquérito sobre os impulsionadores do extremismo violento e o desenvolvimento de uma estratégia nacional para lidar com todos os aspetos da crise”.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por violência armada, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde há um ano por forças do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas levando a uma nova onda de ataques noutras áreas, mais perto de Pemba, capital provincial, e na província de Nampula.

Há cerca de 800 mil deslocados internos devido ao conflito, de acordo com a Organização Internacional das Migrações (OIM), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse esta semana que pelo menos seis pessoas morreram desde 31 de agosto num nova vaga de incursões contra povoações junto ao rio Lúrio, fronteira natural entre as províncias de Cabo Delgado e Nampula.

Entre as vítimas está uma freira italiana da missão de Chipende, em Nampula.

Related posts
MoçambiqueSociedade

Violência impede 3.400 alunos de realizar exames em Moçambique

EconomiaMoçambique

Filipe Nyusi pede retoma da agricultura nas zonas libertadas de Moçambique

PolíticaSociedade

Estratégias discutidas face aos raptos e terrorismo em Moçambique

MoçambiqueSociedade

Grupo armado mata e rapta quatro pessoas em Moçambique

Assine nossa Newsletter