Organizações internacionais alertam para risco de “esquecimento” da crise humanitária em Cabo Delgado - Plataforma Media

Organizações internacionais alertam para risco de “esquecimento” da crise humanitária em Cabo Delgado

Um grupo de 23 organizações não-governamentais (ONG) internacionais alertou hoje para o risco de se “esquecer” a crise humanitária provocada pela violência armada na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique.

“Existe um risco muito real de que, com a crise agora no seu quinto ano, Cabo Delgado saia completamente do radar internacional”, referiram as ONG em comunicado.

Na nota, os subscritores lamentam o défice de orçamento para a assistência aos deslocados de guerra naquela província.

“A resposta humanitária em Cabo Delgado está seriamente subfinanciada. Não estamos a receber financiamento suficiente para responder à crise humanitária”, referem as organizações, que incluem a Save The Children e a Plan International.

Segundo o grupo, a assistência humanitária a Cabo Delgado é “muitas vezes” interrompida, devido à falta de fundos ou de recursos, limitando-se apenas a “intervenções pontuais”.

“É dececionante para nós, como organizações humanitárias, ter de interromper os nossos esforços de atender às necessidades das populações afetadas e testemunhar o facto de as suas necessidades básicas não serem atendidas nem satisfeitas”, lamentaram, alertando que a situação na província “está em risco de se tornar numa crise esquecida”.

Leia ainda: Forças governamentais travam incursão rebelde em Meluco

As organizações pediram ainda maior flexibilidade na emissão de vistos humanitários para permitir o acesso a especialistas das áreas temáticas da resposta a Cabo Delgado, visando “melhorar a qualidade” da assistência.

O grupo sugere que Moçambique aproveite o facto de ser membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para “chamar a atenção dos doadores e da comunidade internacional para financiar a resposta humanitária em Cabo Delgado”.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas está a ser aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Há 784 mil deslocados internos devido ao conflito, de acordo com a Organização Internacional das Migrações (OIM), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Desde julho de 2021, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda, a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), permitiu recuperar zonas onde havia presença de rebeldes, mas a fuga destes tem provocado novos ataques noutros distritos usados como passagem ou refúgio temporário.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MoçambiqueSociedade

Violência impede 3.400 alunos de realizar exames em Moçambique

EconomiaMoçambique

Filipe Nyusi pede retoma da agricultura nas zonas libertadas de Moçambique

PolíticaSociedade

Estratégias discutidas face aos raptos e terrorismo em Moçambique

MoçambiqueSociedade

Grupo armado mata e rapta quatro pessoas em Moçambique

Assine nossa Newsletter