Portugal contribui com cinco milhões de euros para melhorar acesso de são-tomenses à saúde - Plataforma Media

Portugal contribui com cinco milhões de euros para melhorar acesso de são-tomenses à saúde

O Governo português vai contribuir com 5,08 milhões de euros para o acesso universal da população são-tomense a cuidados de saúde de qualidade, ao abrigo do programa “Saúde para Todos”, agora prolongado até 2025.

A despesa com a quinta fase do programa “Saúde para Todos – Consolidação do Sistema Nacional de Saúde de São Tomé e Príncipe 2022-2025” foi aprovada na semana passada pelo Conselho de Ministros e será realizada pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

Em resposta escrita à Lusa, o Camões explica que a fase anterior do programa, que decorreu entre 2017 e 2021, “teve como objetivo contribuir para o reforço e melhoria da capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) de São Tomé e Príncipe, promovendo a disponibilidade de cuidados de saúde especializados e de telemedicina sustentáveis e de qualidade”.

Leia também: Presidente são-tomense em Portugal na sua primeira visita de Estado

A ação assentou, por um lado, em cuidados especializados e manutenção do sistema de telemedicina no Hospital Ayres Menezes e nas formações de especialidades, e, por outro, em cuidados preventivos, primários e programas nacionais.

Tendo como parceiros o Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe, enquanto entidade beneficiária, e a Associação Marquês de Valle Flor, na qualidade de executor, o projeto teve um financiamento global de 4,85 milhões de euros, financiados pelo Camões e pela Direção Geral da Saúde (DGS).

Na nova fase agora aprovada, o Camões quer contribuir “para o acesso universal da população da República Democrática de São Tomé e Príncipe a cuidados de saúde de qualidade”.

Promover a “qualidade e crescente autonomia da prestação de cuidados de saúde preventivos, primários e especializados” e reforçar a capacidade de resposta do SNS são-tomense no combate a novos desafios epidemiológicos, com enfoque nas doenças não transmissíveis, são prioridades.

Leia também: Direção-Geral da Saúde de Portugal aguarda informação sobre novo vírus na China

Esta quinta fase terá um reforço do financiamento, que será de 5,08 milhões de euros, também financiados pelo Camões e pela DGS, mantendo-se os mesmos parceiros.

Segundo o instituto, o programa visa promover a eficácia na gestão e a sustentabilidade financeira do setor da saúde, melhorar as condições técnicas e materiais da rede de cuidados preventivos e primários e aumentar o acesso da população são-tomense a cuidados de saúde especializados de qualidade ‘in loco’ e à distância através de telemedicina.

Visa também capacitar os profissionais de saúde de São Tomé e Príncipe para uma maior autonomia do SNS ao nível da prestação de cuidados especializados, bem como reforçar a sua capacidade de resposta para a prevenção, controlo, diagnóstico e tratamento de doenças não transmissíveis.

Assine nossa Newsletter