CPLP é parte da "solução" para falta de mão-de-obra - Plataforma Media

CPLP é parte da “solução” para falta de mão-de-obra

Proposta de lei do Governo português que facilita a concessão de vistos de trabalho na Lusofonia, já aprovada em Conselho de Ministros, foi discutida e aprovada no Parlamento. A Mota-Engil apresentou parceria com o IF-CECPLP (Instituto de Formação da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa) para a formação e integração de 21 trabalhadores da Guiné-Bissau


Os trabalhadores dos países da Lusofonia representam “uma solução para a falta de mão-de-obra que o país enfrenta e que é transversal a todos os setores”, defendeu Miguel Fontes, secretário de Estado do Trabalho português, a propósito da parceria firmada entre a Mota-Engil e o IF-CECPLP (Instituto de Formação da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa).

Em conjunto, as duas entidades pretendem criar oportunidades de emprego no país através da formação e contratação de profissionais da comunidade da Lusofonia. A iniciativa prevê a integração dos profissionais na empresa de construção, com contrato e visto de trabalho de um ano, renovável. O primeiro grupo recém-chegado contempla 21 trabalhadores das áreas da carpintaria e alvenaria, provenientes da Guiné-Bissau, que serão já integrados em três obras de Lisboa.

O presidente do conselho de administração da construtora, António Mota, reforçou, no momento da apresentação da parceria, que “o caminho da expansão da Europa é feito por África”, e este caminho, que implica a mobilização de profissionais, está atualmente “facilitado pela legislação portuguesa”.

“Temos a expetativa de, até ao final do ano, ter mais dois grupos de profissionais do setor da construção civil. Mas este programa é de médio prazo e contemplará outros grupos de países da CPLP, especialmente onde a Mota-Engil opera”, avança a empresa ao Dinheiro Vivo, acrescentando que faz parte dos objetivos da construtora “dar continuidade a esta parceria de sucesso, fomentando as relações bilaterais entre os Estados-membros da CPLP”.

O secretário de Estado do Trabalho sublinhou que “o Governo fez recentemente uma alteração à chamada Lei de Estrangeiros, criando pela primeira vez um visto para quem está à procura de trabalho – o contrário daquilo que acontecia até agora, em que a falta de contrato profissional constituía um entrave à entrada no país”.

Com este documento, os estrangeiros passam assim a poder “procurar, de forma totalmente legal e enquadrada” a sua oportunidade profissional. Uma mudança que, juntamente com a criação de vistos para os nómadas digitais, revelam “o empenho que o Governo tem em procurar, com criatividade, soluções que ajudam, se não a resolver, a mitigar problemas de trabalho”, disse Miguel Fontes.

Estas mudanças na lei revelam, segundo o secretário de Estado, “o empenho que o Governo tem em procurar, com criatividade, soluções que ajudam, se não a resolver, a mitigar problemas de trabalho”, entre os quais se destaca a falta de mão-de-obra.

Já aprovada em Conselho de Ministros e no Parlamento, o diploma dá seguimento ao Acordo sobre a Mobilidade entre os Estados-Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), assinado há um ano, para “uma maior mobilidade e circulação no espaço da CPLP”.

Cabo Verde muda ‘regras’

O Governo de Cabo Verde alterou a lei de estrangeiros para aplicar o acordo de mobilidade da CPLP. A alteração na legislação nacional cabo-verdiana para poder acomodar as normas do acordo de mobilidade dentro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa foi feita em Conselho de Ministros e agora segue para o Parlamento.

Um ano depois da assinatura do acordo de mobilidade da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e no momento em que oito dos nove Estados-membros da CPLP concluíram o processo de ratificação do acordo, aprovando a estrutura e os princípios essenciais propostos por Cabo Verde, agora é a vez de o arquipélago alterar a sua lei de estrangeiros, com objetivo de incorporar na lei interna o acordo de mobilidade da CPLP.

Segundo o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, o acordo que estabelece as modalidades de mobilidade na comunidade com as estadias de curta duração, a estadia temporária com duração de um ano e residência CPLP põe a Comunidade de Países de Língua Portuguesa a ganhar maior relevância.

“Na perspetiva de Cabo Verde, a CPLP ganha cada vez maior relevância se funcionar como efetiva instância de estreitamento das relações entre pessoas, empresas e instituições da sociedade civil dos diferentes países que compõem a comunidade, se as restrições ao fluxo de entrada e permanência em territórios de povos que se consideram amigos e irmãos, forem progressivamente simplificadas e reduzidas”, disse.

A proposta de lei que procede à terceira alteração quanto ao que define o regime jurídico de entrada, permanência, saída e a expulsão de estrangeiros do território cabo-verdiano, bem como a sua situação jurídica, segue agora ao parlamento para aprovação.

Related posts
EconomiaLusofonia

26 anos de CPLP: a economia e o mar no futuro da comunidade

AngolaLusofonia

Presidente da República destaca projeto de aproximação dos povos da comunidade

LusofoniaPolítica

CPLP saúda designação de João Lourenço como "Campeão da União Africana"

AngolaBrasil

Ministro das Relações Exteriores do Brasil anuncia visita de 3 dias a Luanda

Assine nossa Newsletter